Saído de Fernando de Noronha, Douglas quer levar mais um título para o Cruzeiro

Reportagem: R7.com
 http://esportes.r7.com/esportes-olimpicos/noticias/saido-de-fernando-de-noronha-douglas-quer-levar-mais-um-titulo-para-o-cruzeiro-20121129.html


douglas-fernando-noronha-450x338Localizado no Oceano Atlântico, a pouco mais de 500 quilômetros do Recife, o arquipélago de Fernando de Noronha possui uma população de apenas 2630 pessoas, de acordo com o último Censo. Sendo um lugar tão pequeno e uma vocação natural para o turismo, parece improvável que dali saísse um atleta de alto rendimento, mas aconteceu: o central Douglas Cordeiro, do Sada Cruzeiro, atual campeão da Superliga de vôlei e vice-mundial.

Nascido em Recife e filho de um noronhense nato, Douglas morou neste pequeno paraíso durante quatro anos de sua infância, entre 1988 e 1989 e entre 1991 e 1994, quando seu pai foi o administrador da ilha. Nesta segunda passagem, acompanhou de perto a histórica conquista da medalha de ouro pela seleção masculina nas Olimpíadas de Barcelona e decidiu o que queria fazer da vida:

- O boom do vôlei causado pelo título olímpico de 1992 teve uma repercussão tão grande que até em Noronha chegou. E meu professor de educação física na época gostava muito de vôlei também, o que facilitou muito.

Douglas até começou a treinar em Noronha, mas sua carreira só começou a engrenar mesmo um pouco mais tarde, quando ele tinha 15 anos e seu pai decidiu levar a família de volta para o Recife para que ele pudesse se preparar melhor para o vestibular.

Seguindo um conselho do professor, que viu talento no menino, ele se manteve no esporte até virar professional após ser descoberto do Murilo Amazonas, técnico que também ajudou na formação de nomes como Maurício, Pampa, Carlão e Marcelo Negrão.

Curiosamente, anos depois, ele teve a oportunidade de jogar contra e ao lado de quase todos os astros daquela geração:

- Eu sempre comentava com os meus amigos: “Po, em 92 eu estava na frente da TV torcendo que nem um louco para o Mauricio, o Marcelo Negrão, Tande, Giovane e sete anos depois eu estava jogando com eles...”. Isso pra mim foi uma vitória, uma compensação do esforço, da minha determinação para tentar ser um jogador de vôlei. 

Carlão e Marcelo Negrão, aliás, são as grandes inspirações de Douglas:

- Apesar de ser oposto, o Negrão era colocado pelo Zé Roberto para bloquear no meio da rede. Já o Carlão, eu gostava na forma que ele vibrava, e depois que eu tive a oportunidade de jogar com ele no Minas, pude ver que ele era um excelente atleta.

Prestes a receber o título de “cidadão noronhense”, Douglas, que está prestes a completar 34 anos e tem 1,97 m, não se vê com chances na seleção por considerar que Bernardinho já não consegue enxergar um central “tão baixo” no time. Mas, por ele, tudo bem, afinal ao menos ele não precisará se preocupar em perder as viagens para a paradisíaca ilha, como fez com alguns companheiros de time no ano passado. A ideia, inclusive, é presentear os noronhenses com mais um título nacional de vôlei:

- A expectativa do Cruzeiro para a Superliga é a melhor possível, pois a gente vem de conquistas importantes. Sabemos que por conta do nosso desempenho, todas as equipes virão pra cima, mas a gente tem consciência dessa responsabilidade, pois somos um time maduro, feito de jogadores bem experientes.

II Encontro de Técnicos referência da CBV dá o ponta pé inicial para a realização da Liga Nordeste de vôlei


Por Helder Oliveira- Treinado sergipano

Mais um grande momento para o voleibol brasileiro. A continuidade do programa da CBV de técnicos formadores, proporcionou do dia 22 a 24 de novembro o II ENCONTRO DE TÉCNICOS REFERÊNCIA. O evento aconteceu mais uma vez no Aryzão, centro de treinamento da CBV, reuniu os profissionais de 16 estados, que juntos apresentaram propostas e suas ações realizadas em 2012. Várias experiências e sugestões foram proferidas durante esses três dias, campeonatos, cursos e meios de massificar ainda mais a modalidade com excelência. Foram homenageados os técnicos que formaram alguns atletas integrantes das seleções masculinas infanto e juvenil, que sagraram-se campeãs sulamericanas em 2012. Para nós a participação de Leandro Santos (Aracaju), proporcionou uma imensa emoção para os sergipanos.


A CBV trouxe grandes nomes do nosso voleibol para ministrarem as clínicas durante o encontro. Jorjão, Jorge Barros enorme conhecedor de bloqueio, Marcos Lerbach (saque), Mestre Ymai (defesa e passe), Percy (ataque).
As novas tendências, treinamentos para a base, correções, dúvidas tiradas e a certeza de termos recebido o que há de melhor no mundo. Além das palestras motivantes do coordenador do programa Antônio Rizola e de um dos maiores expoentes do voleibol mundial e até hoje atuante, o professor Célio Cordeiro.

Outro grande momento foi a idealização da Liga NE. Competição que visa aumentar o intercâmbio entre os 9 estados da região. A princípio a competição será realizada com equipes infanto, 16 anos feminino e 17 anos masculino. Oito estados já garantiram participação, agora teremos outras reuniões para definição de local e regulamento da competição.

CIRCUITO SUB-21 BANCO DO BRASIL: Marcus/Guto e Drussyla/Duda vencem a última etapa


Foto da notíciaAs duplas Marcus/Guto (RJ) e Drussyla/Duda (RJ/SE) são as últimas campeãs da temporada 2012 do Circuito Sub-21 Banco do Brasil Vôlei de Praia. Neste DOMINGO (25.11), as parcerias venceram a sexta e última etapa do ano, disputada nas quadras de areias da Escola de Educação Física do Exército, na Urca, no Rio de Janeiro (RJ).

Bicampeões por antecipação, Marcus e Guto não diminuíram o ritmo com a conquista antecipada. Invicta na temporada, a dupla chegou ao sexto título nas areias do Rio de Janeiro e fechou o ano com 2.400 pontos conquistados.
A temporada 2012 foi a última de Marcus na categoria Sub-21. Duas vezes campeão, o carioca ficou satisfeito com a despedida em grande estilo.

“Meu último ano no Sub-21 não poderia ter sido melhor. Vencemos todas as etapas e não perdemos nenhum jogo. Para completar, a última etapa ainda foi em casa, diante da nossa família”, comenta. 

Na decisão da etapa carioca, os irmãos derrotaram Léo Morais e Eduardo (PB/RJ) por 2 sets a 0, parciais de 21/11 e 21/15. Na disputa de terceiro lugar, Ramon e Álvaro Andrade (RJ/SE) levaram a melhor sobre Allison/Anderson Melo (SC/RJ), vencendo por 2 a 1 (21/16, 14/21 e 15/13).

No feminino, Drussyla, de 16 anos, e Duda, de 14, que foram as representantes do Brasil no Campeonato Mundial Sub-19 de 2012, conquistaram o terceiro pódio da dupla no Circuito Sub-21 Banco do Brasil em três torneios disputados. A dupla foi campeã da etapa de Brasília (DF) e ficou em terceiro lugar em João Pessoa (PB).

“Este foi o melhor torneio que disputamos. O time funcionou muito bem. Somos muito novas, então cada etapa representa muito em termos de experiência para nós. Procuramos aproveitar todas as oportunidades que tivemos esse ano”, afirma.
Na decisão, a jovem dupla derrotou as cariocas Natália Silveira e Fernanda por 2 sets a 0, parciais de 21/9 e 21/13. Atuais campeãs nacionais Sub-19, Ana Carolina e Mariana Chaia (RJ) ficaram em terceiro lugar depois de derrotarem Índia e Dani Santos (PA/RJ) por 2 sets a 1 (18/21, 21/11 e 15/7).

Em 2012, o Circuito Sub-21 Banco do Brasil passou também por Canasvieiras (SC), Fortaleza (CE), Maringá (PR), João Pessoa (PB) e Brasília (DF). O título feminino ficou com Sandressa e Juliana Simões (AL/PR), que fecharam a temporada com 2.000 pontos.

CIRCUITO SUL-AMERICANO: ouro e prata para nordestinos em Santa Fé


Foto da notíciaO Brasil iniciou com medalhas de ouro e prata as disputas do Circuito Sul-Americano de Vôlei de Praia 2012/2013. Representado pelas duplas Lili/Rebecca e Thiago/Álvaro Filho, o país subiu ao topo do pódio feminino na primeira etapa da temporada continental, que foi encerrada neste DOMINGO (25.11) nas areias de Parador Triferto, em Santa Fé, na Argentina. Thiago e Álvaro ficaram em segundo lugar.

Dirigidas na competição pelo técnico Marcos Miranda, Lili e Rebecca tiveram campanha perfeita nas areias argentinas. A dupla venceu os cinco jogos que disputou e não cedeu sets às parcerias rivais.

Na final, as brasileiras derrotaram as chilenas Camila Pazdirek e Francisca Rivas por 2 sets a 0, parciais de 21/11 e 21/15. A terceira posição ficou com as argentinas Ana Gallay e Virginia Zonta, que superaram as venezuelanas Frankelina Rodriguez e Orquídea Vera também em dois sets: 21/12 e 21/14.

Na final masculina, também entre Brasil e Chile, melhor para os primos Esteban e Marco Grimalt, que são treinados pelo brasileiro Marcelo Carvalhaes, o Big. Eles derrotaram Thiago e Álvaro, que foram comandados por Letícia Pessoa, de virada, por 2 sets a 1, parciais de 19/21, 21/11 e 15/13, e ficaram com o título. 

Os venezuelanos Farid Mussa e Jackson Henríquez garantiram a última vaga no pódio depois de baterem os argentinos Pablo Suarez e Santiago Etchegaray por 2 a 0 (21/19 e 21/15).

O Brasil é o atual campeão sul-americano de vôlei de praia, tanto no masculino quanto no feminino. Na temporada passada, que teve sete etapas, o país conquistou 18 medalhas, sendo 12 de ouro.

Nordestinos Álvaro Filho(PB) e Rebecca (CE) representam o o Brasil no Sul-Americano

Álvaro Filho e Thiago foram vice-campeões da etapa
de Belo Horizonte do Circuito Brasileiro

Juntos desde setembro, Thiago/Álvaro Filho e Rebecca/Lili superaram o pouco tempo de entrosamento e já subiram ao pódio no Circuito Brasileiro 2012/13. A partir desta sexta-feira, as duas duplas estrearão internacionalmente defendendo o Brasil no Circuito Sul-Americano. A primeira sede da competição será a cidade de Santa Fé, na Argentina. Na praia de Parador Triferto, os brasileiros tentarão manter a hegemonia do país no continente. Na última temporada, os representantes nacionais dos dois naipes ganharam 12 ouros em sete etapas disputadas.

No masculino, Thiago e Álvaro serão comandados pela técnica Letícia Pessoa (que trabalha atualmente com Alison e Emanuel e orientou atletas na conquista de três pratas olímpicas) e enfrentarão quatro duplas argentinas (Pablo Suarez/Santiago Etchegaray, Ian Mehamed/Julian Azaad, Martin Conde/Pablo Bianchi e Fabio Perez/Lizandro Rousic), duas parcerias chilenas (Esteban Grimalt/Marco Grimalt) e (Cristobal Martinez/Rodrigo Salinas), dois times uruguaios - Santiago Pascale/Mateo Pascale e Pablo Rodriguez/Michael Gonzalez), duas equipes paraguaias ( Richard Sanabria/Gregorio Godoy e Gino Lombardo/Angel Jimenez), além dos bolivianos Rolando Montenegro e Israel Martinez.

- Este torneio será muito importante para nós. Estamos juntos há pouco tempo e será uma ótima oportunidade de ganharmos bagagem internacional. O nível não é o mesmo do Circuito Brasileiro, mas vem melhorando bastante. Seremos bastante exigidos e visados, principalmente quando jogarmos contra as duplas argentinas e chilenas – disse Thiago.

Rebecca e Lili serão orientadas pelo técnico Marcos Pachecom e terão a concorrência de Ana Gallay/Virginia Zonta, Georgina Klug/Elena Klug, Melinda Galindez/Natali Flaviani e Veronica Azcona/Delfina Vuconich defendendo a Argentina, Francisca Rivas/Camila Pasdirek e Maria Galilea/Natalia Montecinos representando o Chile, Patricia Caballero/Cecilia Fernandez e Neile Sanabria/Yghirda Sanabria jogando pelo Paraguai, Carla Hernandez/Moira Gastambide e Claudia Naser/Karina Torres atuando pelo Uruguai e Maria Camacho/Franchesca Cueto, pela Bolívia.

- Vai ser bom podermos jogar juntas fora do país pela primeira vez. Trabalhamos forte e bem para esta competição com a nova comissão técnica da seleção. Estamos tendo bons resultados no Circuito Brasileiro, e espero voltar com mais um título – disse a cearense, mais jovem da delegação com 19 anos.

*Por GLOBOESPORTE.COM

Juliana e Larissa: heptacampeãs mundiais falam sobre separação e amor por Fortaleza


O que dizer se o Doutor Watson abandonasse Sherlock Holmes? Ou se o Gordo decidisse seguir carreira solo e deixasse o Magro? Parece difícil imaginar que certas duplas possam caminhar separadas. Entretanto, uma das parcerias mais bem-sucedidas da história recente do esporte brasileiro está com os dias contados. Larissa, 30 anos, que joga ao lado de Juliana, 29 anos, há nove anos, anunciou, em outubro, que pretende se afastar do vôlei de praia ao fim desta temporada e tocar outros planos sozinha. Juliana continuará na modalidade, com outra parceira.
A decisão veio após mais de mil vitórias, sete títulos do Circuito Mundial, dois panO que dizer se o Doutor Watson abandonasse Sherlock Holmes? Ou se o Gordo decidisse seguir carreira solo e deixasse o Magro? Parece difícil imaginar que certas duplas possam caminhar separadas. Entretanto, uma das parcerias mais bem-sucedidas da história recente do esporte brasileiro está com os dias contados. Larissa, 30 anos, que joga ao lado de Juliana, 29 anos, há nove anos, anunciou, em outubro, que pretende se afastar do vôlei de praia ao fim desta temporada e tocar outros planos sozinha. Juliana continuará na modalidade, com outra parceira.
A história com o vôlei começou em 2001, e um ano depois a dupla passou pelas primeiras provações. Juliana, aos 19 anos, rompeu o ligamento do joelho, e Larissa, que estava com 20, teve problemas com hérnia de disco. No entanto, recuperaram-se e, em 2005, venceram o primeiro Circuito Mundial. As jogadoras encontraram no Ceará o local perfeito para construir uma vida. Juliana, paulista, e Larissa, capixaba, pretendem continuar em Fortaleza mesmo após o fim da dupla.
- Eu não nasci aqui, mas eu sou federada pelo Ceará. Então, todo mundo já associa ao meu nome. É a Juliana do Ceará. – afirma a santista.
O ouro olímpico, no entanto, é um ponto de divergência da dupla. Embora as duas reconheçam o diferencial da medalha dourada, Larissa valoriza o suor gasto nas outras competições e diz que não trocaria os títulos já conquistados pelo lugar mais alto do pódio das Olimpíadas.
- Eu acho que todos os títulos são muito importantes: Mundial, Pan-Americano, tudo... – ressalta.
Juliana, no entanto, ressalta a importância do torneio e revela que trocaria todos os títulos já conquistados pelo lugar mais alto do pódio olímpico.
- Ser campeã do mundo, sem dúvida, é uma coisa única, mas o Circuito Mundial tem todo ano. Olimpíadas, só de quatro em quatro anos – explica.
Juliana e Larissa campeonato mundial Roma 2011 volei de praia (Foto: Divulgação/FIVB)
O desgaste causado por nove anos de convivência, treinamentos árduos e uma "dose cavalar de pressão", como elas mesmas replicam, ajudam a explicar as razões da separação. As discordâncias ficam claras em diferentes momentos durante a conversa. Mas a vida segue, com a certeza de que o nome da dupla está gravado na história da modalidade. Enquanto Juliana continua no esporte, Larissa quer aproveitar para ser mãe, cuidar do corpo e dos negócios.
Confira as histórias, as discordâncias e o que elas pensam para o futuro após a separação.
GLOBOESPORTE.COM: Com todos os títulos que vocês conquistaram até hoje,  vocês se consideram a maior dupla feminina de vôlei de praia da história?
Larissa: Olha, eu acho que a gente escreveu uma história muito bonita no vôlei de praia. Apesar de ser um esporte em que todo mundo olha e diz: 'Nossa, que legal, você vai à praia todo dia', a gente sabe que é muito difícil. Não temos substituição, enfrentamos o vento, o frio, a chuva, o calor. É muito sacrificante. Eu me sinto muito orgulhosa. Eu acho que o que a gente fez é uma coisa que dificilmente outra dupla vai conseguir fazer, porque se manter assim durante tantos anos é difícil. Eu não sei se posso dizer que nós fomos a melhor dupla do mundo, ou que eu sou a melhor jogadora do mundo, acho que isso não cabe. Mas dizer que a gente formou uma dupla que dificilmente outra vai conseguir bater, dá sim. E eu tenho certeza de que muitas pessoas vão lembrar e vão pensar em inúmeras vitórias, e isso eu vou levar para o resto da minha vida.
Juliana: Acho que eu e a Larissa colocamos o nosso nome na história do vôlei de praia, sem dúvida. A gente é um marco. Mas eu não considero a melhor dupla do mundo porque, juntas, não ganhamos as Olimpíadas. Acho que ficou faltando isso. E quem ganha uma medalha de ouro em Olimpíadas é diferenciado. Infelizmente, a gente não ganhou. Ganhamos inúmeros títulos. Houve temporadas em que nós fomos a melhor dupla, não tenho dúvidas disso. Mas a melhor dupla da história, não. Por esse motivo, pela falta da medalha de ouro, vai ficar sempre essa dúvida, essa pergunta. O brilho (das outras conquistas) não é apagado por causa disso. Batemos vários recordes em um curto espaço de tempo. O nosso começo foi meteórico. Duas meninas novas, aprendemos a vencer uma com a outra. Então nós temos peculiaridades que outras duplas não tiveram. Eu e a Larissa aprendemos a ganhar e perder juntas - muito mais ganhar do que perder. Eu acho que, se a gente tivesse ganhado a medalha de ouro em 2008, aí dava para dizer que a gente tinha fechado esse ciclo com chave de ouro.
E o que faltou para o ouro nas Olimpíadas?
Juliana: Não sei. Não me pergunte porque eu não sei o que aconteceu. Uma pessoa perguntou para mim, assim: "Juliana, você trocaria todos os seus títulos por uma medalha de ouro nas Olimpíadas?", e eu respondi que sim, trocaria. Mas dizem: "Juliana, é muita coisa para você trocar", mas eu trocaria. Olimpíadas são diferentes. Eu trocaria, já a Larissa, não.
Juliana e Larissa em entrevista ao Globoesporte.com (Foto: Roberto Leite/Globoesporte.com)Clima de despedida era visível em Juliana e
Larissa (Foto: Roberto Leite/Globoesporte.com)
Larissa: Eu não trocaria de jeito nenhum. Eu acho que as Olimpíadas são muito importantes, só quem está lá para saber o que é. Mas eu acho que cada um tem seu espaço, seu momento. Só nós duas sabemos o que passamos para ser sete vezes campeãs do Circuito Mundial, quase que consecutivas. Só foi interrompido em 2008, porque a Juliana teve uma lesão no joelho. Senão a gente seria oito vezes campeãs. Então, isso é muita coisa, e eu valorizo demais, porque através desses títulos nós chegamos onde chegamos. Com eles nós pudemos participar das Olimpíada. 90% dos atletas trocariam, mas eu tenho um pensamento diferente. Quando a gente ganhou uma Copa do Mundo, para mim, foi que nem ganhar as Olimpíadas. Foi sensacional. A gente tinha jogado três vezes e não tinha vencido nenhuma, e em 2011 a gente foi campeã do mundo e foi muito bacana.
Juliana: Ser campeã do mundo, sem dúvida, é uma coisa única, mas o Circuito Mundial tem todo ano. Olimpíadas, só de quatro em quatro anos. São dez, quinze dias, ali, em que você tem que fazer o seu melhor e ser diferenciada. De fato, ser campeão mundial, não é para qualquer um. Ganhar uma etapa do Circuito Mundial não é fácil. Porém, ser campeão olímpico não é para qualquer um também, não.
Larissa: É engraçado isso. Porque, realmente, em tudo a pessoa tem que ser f***. Porque você passa 15 dias concentrada e ganhar as Olimpíadas, que só tem de quatro em quatro anos, é dificílimo. Você passa seis, cinco meses concentrada, isso também é dificílimo. Este ano, a gente ganhou três etapas do Circuito Mundial, são cinco meses no Mundial e cinco meses concentradas, isso também é muito difícil. Sem contar ainda, como a maioria das pessoas falam: “Ah, ganhou uma vez, é muito fácil, quero ver ganhar duas”. Daí a gente ganha a segunda e falam: “Ah, quero ver manter'. Daí, a gente mantém e vence sete vezes. No fim, eu acho que todos os títulos são muito importantes: Mundial, Pan-Americano, tudo... Quando perguntam: "Qual foi a principal vitória de vocês?", eu digo que foram três. Primeira vez que a gente ganhou da Walsh e da May, a Copa do Mundo e o bronze contra as chinesas, em Pequim. São as três vitórias que vão marcar mais.
A Walsh e a May foram a dupla mais difícil que vocês já enfrentaram? É a pedra no sapato da dupla?
Juliana: É a pedra no sapato de qualquer dupla. Se você perguntar para elas qual foi a dupla mais difícil, elas vão citar o nosso nome, com certeza. Se você perguntar para os grandes times do mundo qual a dupla mais difícil, vão falar das americanas e provavelmente o nosso nome. As americanas são um calo no sapato, mas, ao mesmo tempo, fizeram a gente crescer. Porque a gente sempre tinha o objetivo de ganhar delas. Mas não era só ganhar delas, era manter uma linha de vitórias. Porque tem muita gente que ganha da gente e perde para um time insignificante, digamos assim. Quando a gente ganhava da Walsh e da May, tinha que ganhar o campeonato. Essa é a grande diferença. Às vezes havia alguns tropeços, elas perdiam para alguém, a gente perdia para alguém, mas às vezes os times ficavam tão deslumbrados porque ganhavam delas, porque ganhavam da gente, que acabavam esquecendo de jogar os outros jogos.
É como se fosse um campeonato à parte, jogar com elas?
Juliana: Exatamente. Sempre que a gente jogava contra elas, a gente comemorava quando ganhava e buscava comemorar também na final.
É como se fosse um campeonato à parte, jogar com elas?
Juliana: Exatamente. Sempre que a gente jogava contra elas, a gente comemorava quando ganhava e buscava comemorar também na final.
É como se fosse um campeonato à parte, jogar com elas?
Juliana: Exatamente. Sempre que a gente jogava contra elas, a gente comemorava quando ganhava e buscava comemorar também na final.
Eram dois títulos em um?
Juliana: Não, era um título só. Nós já saíamos daqui preparadas para jogar contra elas.
Larissa: A gente tinha que estar 100% para jogar contra elas. A gente não podia estar com preguiça. Rolava um respeito muito grande nosso com elas e delas com a gente, e isso era muito legal. A gente esperava um confronto contra elas assim como elas esperavam um confronto contra a gente. Não era jogar contra Larissa e Juliana, era jogar (com ênfase) contra Larissa e Juliana. Não era jogar contra Walsh e May, era jogar (com ênfase) contra Walsh e May. No vôlei de praia, você tem que ter físico, técnica e psicológico. Se você tiver 40% de psicológico e 30% de técnica e físico, é bom. A maioria dos times tem os 30%, mas não tem o psicológico. E Walsh e May têm o psicológico muito forte. Às vezes você tem dois e não tem o terceiro. Então, o time que consegue manter esses três em equilíbrio consegue ser o melhor time. Eu e Juliana sempre tivemos muito físico e técnico, porque o nosso clima favorece. Aqui no Brasil a gente tem competição durante o ano inteiro e a gente treina muito. A nossa batalha era contra o psicológico. Então tinha que ficar concentrada o jogo inteiro.
Inclusive, foi em uma partida contra elas, em 2005, que vocês acabaram entrando no Guiness Book 2011, por uma partida que durou 1h40m. Aquela foi a partida mais difícil de vocês?
Juliana: Olha, eu posso falar uma coisa para você com muita tristeza. Não sendo injusta, mas eu acho que o vôlei merecia uma final olímpica com Juliana e Larissa contra Walsh e May. Porque a gente já fez muitas batalhas incríveis contra elas. Uma delas foi essa daí, do México, de 2005. Teve a Copa do Mundo, que a gente jogou em uma situação adversa, porque estávamos perdendo de 17 a 11 e a gente conseguiu virar o jogo para 21 a 17. E ainda começou o tie break vencendo de 3 a 0, ou seja, a gente fez 13 pontos diretos. A gente não fez 13 pontos seguidos em qualquer dupla, foi contra a Walsh e a May. Assim como também houve vitórias épicas delas contra a gente. Uma vez, a gente vencia por 16 a 12, daí elas viraram para 21 a 16, e a gente não viu mais a cor da bola. Por isso que eu acho que uma final entre a gente, para o esporte, ia ser muito bacana. Ganhasse quem fosse o melhor no momento. Hoje, são elas, com certeza, as melhores da história, pois são tricampeãs olímpicas e escreveram o nome delas para sempre na história do vôlei. Eu me arrisco a dizer que dificilmente alguém vai bater isso, porque são 12 anos. Em questão de longevidade teve o Roberto Lopes, a Shelda, a gente, com nove anos, depois o Ricardo e o Emanuel, e pelo que eu vejo do vôlei, hoje, essas longevidades não vão acontecer mais. Então, ser tricampeã olímpica pode acontecer, se for um cara com diferentes parceiros, mas para uma parceria como elas foram, eu acho meio complicado.
Larissa: E tinha que ter dado tudo certo. Por exemplo, a gente tinha que ter ganhado em 2004, 2008 e 2012. Então é um negócio muito complicado.
Juliana: Eu acho que em 2004 não tinha espaço para a gente. Começamos em um cenário que tinha Adriana Behar e Shelda, Ana Paula e Sandra, daí não tinha espaço para a gente.
Larissa: Eu digo que só se desse tudo certo (para ser tricampeãs olímpicas). Porque para fazer de novo o que elas fizeram é praticamente impossível. Ainda mais com o vôlei sendo cada vez mais competitivo. Para ter uma dupla e se manter no topo durante 12 anos, só se trocar todas as juntas delas, porque o corpo não aguenta.
Uma vez, em entrevista ao GLOBOESPORTE.COM, um tenista (Márcio Petrone, que derrotou Roger Federer no Orange Bowl de 1996) afirmou que 'o esporte de rendimento não é o esporte saudável'. Vocês têm essa mesma ideia?
Juliana: Com certeza. Uma vez eu estava com dor nas costas, meu namorado olhou para mim e disse: 'Isso aí não pode ser saúde. Eu não estou sentindo nada. Você vive doente e vem dizer que esporte é saúde?'. Ele fala isso brincando, óbvio. Mas, na realidade, é porque tem muito impacto. E no esporte de rendimento você vai enganando a dor o tempo inteiro, mas, ao mesmo tempo, temos o diferencial, porque raramente a gente fica doente e os riscos de doenças cardiovasculares reduzem bastante. Então, tem o seu lado ruim, mas também tem o bom. Você vai fazer fisioterapia, no meu caso, que machuquei os dois joelhos, a minha evolução em relação às pessoas normais era inacreditável, porque o atleta é assim. O tempo de reação, de reabilitação, é melhor. Não existe nada na vida que não se pague um preço. Mas eu acho que o nosso preço é até justo. Como diz o (Pedro) Bial: 'Cuide dos seus joelhos porque um dia você vai precisar deles'. Ele não disse para os atletas cuidarem dos joelhos, ele disse para as pessoas cuidarem dos joelhos. Então, todo mundo um dia vai ter problemas no joelho.
Em 2010, vocês deram uma entrevista e disseram que “Juliana e Larissa” eram quase  um nome só, referindo-se somente a uma única pessoa. E a partir de dezembro, como vai ficar?
Juliana: Ficou. Acho que já está bom, né? Foi como eu disse, a gente marcou o nosso nome na história, com muitas vitórias, muita superação, muita garra. Agora, cada uma segue o seu caminho e que sejamos muito felizes. Está bom demais, mas já foi. Até dezembro, será uma coisa só, mas, a partir de dezembro, cada uma será uma coisa.
A gente cresceu juntas, aprendeu juntas, viajou o mundo inteiro juntas. Eu não gostava muito de sair, aprendi a sair com ela (Juliana). Ela tirou a carteira de motorista e eu ensinei a dirigir"
Larissa
Larissa: Hoje, eu estava em uma imobiliária e me disseram: "Larissa, pelo amor de Deus, não faça isso, como você pode fazer isso?". Daí, eu falo que já faz 15 anos que eu jogo vôlei, muito tempo viajando, abdicando de muita coisa, e que agora eu queria ter outras metas para a vida pessoal, para a profissional. Daí falavam: "Mas não pode um negócio desse, como vai ficar a dupla de vocês que a gente vê na televisão?". Daí, eu digo que a gente já jogou durante muitos anos, que já escreveu a nossa história e a vida é isso. Eu vou seguir caminhos diferentes dela, ela vai estar com outra parceira e vai buscar também os objetivos dela. Eu acho que nada se apaga. A gente viveu aquilo tudo, foi maravilhoso. A gente podia viver mais quatro anos, mas um dia ia acabar. Eu acho que o mais importante é tudo o que ficou, todas as lembranças. Eu tenho certeza de que tanto eu quanto ela temos muito mais lembranças boas do que ruins. Quantas vezes a gente se superou, quantas vezes a gente passou por dificuldades. A gente cresceu juntas, aprendeu juntas, viajou o mundo inteiro juntas. Eu não gostava muito de sair, aprendi a sair com ela. Ela tirou a carteira de motorista e eu ensinei a dirigir, então são coisas que a gente aprendeu, e agora ela vai aprender outras coisas, eu também. Eu vou chegar em dezembro, na última bola, e vou sair feliz, satisfeita. Poxa, a gente acabou de fazer mil vitórias, a gente fez vinte finais seguidas, sabe o que são vinte finais seguidas? São dois anos nas finais, direto! A gente é heptacampeã mundial. Então, o que mais eu quero, gente, pelo amor de Deus? Como que eu vou olhar para trás e...
Juliana: Está bom, Larissa, ele já entendeu, não precisa explicar mais, não.
Larissa: Como eu vou olhar para trás e dizer, "Poxa vida, tiveram momentos ruins", não tem como. Porque as pessoas ficam, "Oh, separação!", "Oh, não sei o quê!". Não é isso. O meu sentimento não é esse.
Juliana: É muito engraçado isso, porque o que mais as pessoas me perguntam é: "Juliana, cadê a tua cara-metade?", daí eu respondo que está no Rio de Janeiro. Mas aí me perguntam: "Mas a Larissa não mora no Ceará?". Daí, eu respondo que eu achei que era o meu namorado, porque a Larissa não é minha cara-metade. As pessoas não entendem. A gente toma decisões na vida. Por exemplo, eu faço isso aqui porque eu amo. Eu treino duas horas e meia de manhã. Às vezes eu chego em casa revoltada comigo, porque eu treino duas horas e meia, e por quê? Porque eu amo isso aqui. Quando eu saio, eu quero mais, e a Larissa não é assim. A Larissa não ama isso daqui. Ela gosta para caramba. Ela tem um prazer, como ela disse. Ela conquistou muita coisa. Hoje, a Larissa é conhecida mundialmente por isso. Mas ela também precisa do momento dela, então respeitamos e desejo que ela seja muito feliz. E eu vou continuar. Joguei as Olimpíadas pela primeira vez agora, quero jogar em 2016, no meu país. Parece que eu joguei agora e, se tivesse amanhã, eu já queria jogar de novo. Foi uma experiência incrível na minha vida. E eu quero jogar lá em Copacabana, no Rio de Janeiro, no meu país. Mas a grande história de Larissa e Juliana até o fim de 2012 vai ser uma coisa só. Passa a ser Larissa e a vida que ela projetar, e Juliana e o que ela fizer para seguir em frente. Foi como ela (Larissa) falou: não vai ser apagado o que a gente conquistou, mas a partir do fim do ano acabou, e 2013 é vida que segue.
Juliana e Larissa vôlei de praia Olimpíadas 2012 (Foto: Getty Images)Bronze em Londres foi a frustração de Juliana. Larissa achou que foi de bom tamanho (Foto: Getty Images)
E foram nove anos de parceria, convivendo diariamente, passando a maior parte do tempo juntas. Esse excesso de convivência não desgastava a relação de vocês?
Larissa: Não. É natural, como em qualquer relacionamento, em qualquer profissão. É natural, mãe, pai, irmão, amigo... não tem nada de mais, nisso. Às vezes, a gente passa mais tempo juntas do que com a nossa família, então é natural ela brigar comigo, eu brigar com ela. E ainda tem mais uma coisa. Pelo fato de a gente ter o mesmo trabalho, a cobrança era muito grande. Tudo que ela fizer influencia no meu resultado final, e tudo que eu fizer influencia no dela. Por isso eu acho que aqui a maioria das duplas não dura tanto tempo, porque há um desgaste natural, com o tempo e as cobranças. E tem que ver que nem sempre eu vou estar com o mesmo rendimento dela. Eu acho que isso, inclusive, foi o que fez a gente ganhar tanto e manter a nossa parceria por tanto tempo, porque na maioria desses anos, eu acho que tivemos a mesma vontade, o mesmo pensamento, então isso desgasta. Rola uma briga por não concordar com alguma coisa. De tudo que a gente viveu, eu acho que o lado bom sempre vai superar. Às vezes, você vive uma vida toda e não faz o que a gente fez em nove anos.
Eu acho que chega um determinado ponto da nossa vida em que não é mais necessário mostrar que ganha mais ou menos"
Juliana
Juliana: Eu e Larissa, a gente, infelizmente - eu digo, infelizmente -, a gente poderia ter os mesmos resultados sem ser dessa forma. Mas a gente sempre passou uma imagem de que a Larissa brigava com a Juliana. A gente ganhava, mas a gente era um pouco antipatizada pelas pessoas e elas falavam: “Poxa, mas vocês não vão deixar de ganhar se a Larissa deixar de falar assim com você”. Mas foi dessa forma. Fomos campeãs dessa forma. Passou um tempo em que isso não adiantava mais. As pessoas passaram a cobrar dela, mas não adiantava mais. Além do convívio diário, existia uma pitada, aliás, uma pitada não, uma dose cavalar de pressão. Se você vive um relacionamento com o seu marido, com as suas amigas, é tudo muito bom, mas, quando te colocam sob pressão, exige um pouco mais. Por esses motivos, existiam muitos desgastes, muitas coisas, mas eu sempre brinco que a Larissa parece que é meio cara e coroa. Ela me ensinou coisas muito boas, mas ela também me ensinou coisas ruins também, que eu vou procurar não fazer. Daí podem dizer:  “Ah, Juliana, você vai ganhar menos, vai perder mais”. Eu acho que chega um determinado ponto da nossa vida em que não é mais necessário mostrar que ganha mais ou menos. Eu lembro de uma vez em que a gente foi atrás de um patrocínio que eu queria muito. Ela (Larissa) também queria. A gente estava em uma viagem, daí o cara fechou o patrocínio com a gente. Logo em seguida, voltamos, daí outro cara ofereceu outro patrocínio dobrando o que a gente ganhava. Daí a Larissa, meio mexida, olhou para mim e disse: “E aí?”. Daí eu respondi que eu sempre quis ter esse patrocínio. Esse dinheiro aí a gente ganhava na bola. Na época, a gente nem ganhava muito, isso foi em 2005?
Eu não faria nada de diferente, não. Repetiria tudo novamente"
Larissa
Larissa: 2004.
Juliana: 2005, que a gente ganhou o (Circuito) Mundial pela primeira vez. Daí ela concordou e, realmente, a gente acabou ganhando muito mais (dinheiro). Acho que foi um dos anos em que a gente mais ganhou, inclusive. 2005 e 2006. E eu falei aquilo ali por um impulso, mas que é verdade. A gente não está aqui pelo dinheiro, a gente está aqui porque a gente gosta. O dinheiro, a fama, são consequências disso. Foi como eu falei. Ela me deu coisas boas e ruins, e eu vou levar para o resto da vida. Às vezes a gente acha que só tem coisa boa. Eu tenho meu lado ruim também, óbvio. Eu brinco que lidar com mulher é muito complicado. Eu sou mulher, ela é mulher, mas lidar com mulher é muito complicado. Larissa e eu temos a personalidade muito forte. Eu tive que me moldar, que me reinventar, as pessoas que me conheciam na infância e me veem jogando na quadra, dizem: “Essa daí não é a Juliana, não”. Mas essa Juliana é campeã também, da mesma forma como outra Juliana pode surgir agora e ser campeã de novo. Sempre, o meu objetivo foi ser campeã. A minha vontade é a mesma sempre.
Larissa: Era muito pesado, o clima de pressão que a gente vivia, por exemplo...
Juliana: Poxa, ela disse que começou a gostar de sair por minha causa, sacanagem. (risos)
Larissa: Eu falei isso aí no sentido de me divertir mais, de me soltar mais, porque era só vôlei, vôlei, concentrada, pressão, e ela (Juliana) sempre foi mais extrovertida. Eu sempre pensei no jeito que eu entrava em quadra, no jeito que eu agia com ela, porque eu me dedicava tanto que eu não aceitava o erro, na hora do jogo. Aí depois eu fui aprendendo a ficar mais relaxada e tal, daí já melhorou muito.
Larissa, você está encerrando a carreira  ou é somente para dar um tempo?
Larissa: Eu estou dando uma parada, dando uma esfriada, cuidar um pouco do meu corpo para dedicar um pouco à minha família. Eu quero viver um pouco as emoções, as sensações. Quero ter a sensação de não fazer nada, quero ter a sensação de ser empresária, de ter filhos, vamos ver, né?
Larissa, atleta de vôlei de praia (Foto: Roberto Leite/Globoesporte.com)Larissa deixa o esporte para cuidar dos negócios e
ser mãe (Foto: Roberto Leite/Globoesporte.com)
Então existe a possibilidade de volta?
Larissa: Claro, é uma possibilidade, sim. Pode ser que sim, pode ser que não. Eu não sei se eu vou sentir falta, se eu não vou. Vamos ver em janeiro, quando todo mundo voltar e eu não voltar.
Vocês duas não são do Ceará. Uma é de São Paulo, e a outra de Santa Catarina...
Juliana: Não, moço, eu sou daqui do Ceará, não vem dizer que eu não sou daqui. (risos)
Como vocês recebem o carinho todo daqui do Ceará?
Juliana: É incrível, é incrível. Eu não nasci aqui, mas eu sou federada pelo Ceará. Então, todo mundo já associa o meu nome. É a Juliana do Ceará. As pessoas já adotaram a gente. Quando eu chego no supermercado, as pessoas perguntam: “Ah, você mora aqui? E a Larissa?”. Acho que fazem a mesma pergunta para as duas. Eu amo Fortaleza e acho que foi uma coisa muito bacana para a gente. Eu apresentei Fortaleza para Larissa, e Larissa me apresentou Fortaleza também. Pergunta para ela se ela quer sair daqui?
Larissa: Deus me livre!
Juliana, atleta de vôlei de praia (Foto: Roberto Leite/Globoesporte.com)Juliana: deixar Fortaleza de jeito nenhum
(Foto: Roberto Leite/Globoesporte.com)
Juliana: Eu também não penso (em sair de Fortaleza). Aqui é uma cidade pela qual eu me apaixonei. Eu não tenho ninguém da minha família que mora comigo aqui. A Larissa ainda tem o sobrinho, a irmã dela. Não sei em que outra cidade eu teria feito isso. Aqui as pessoas são muito acolhedoras, são irmãos. Eu tenho amigos de verdade aqui em Fortaleza. Muitos jogadores que, na época, quando chegamos aqui, estavam na mesma situação que a gente, não tinham ninguém da família e acabaram vindo para cá. Então a gente virou amigos para sempre. E ainda tem o carinho das pessoas. Ano passado, que a gente não jogou aqui, foi muito engraçado. Não ficou cheia (a arena). Por quê? Porque Larissa e Juliana não estavam jogando. Quando colocam eu e Larissa para jogar, meu amigo... é outra coisa! Eu posso estar do jeito que estiver, com a perna doendo, com a cabeça estourando, mas, quando eu entro na quadra, falam "Juliana do Ceará", aquele povo vai ao delírio... mesmo que eu não queira, dou um jeito para conseguir ganhar. E é a única oportunidade que as pessoas têm de ver a gente jogando.
Para finalizar. Se vocês tivessem a oportunidade de olhar tudo desde o começo, teria alguma coisa que vocês não fizeram que gostariam de fazer?
Larissa: Não, não me arrependo de nada. Faria tudo igualzinho, desde o começo. O preço que a gente pagou foi alto...
Juliana: Eu não acho que a gente pagou um preço alto, não. Eu faria mais um pouco, sim.
Larissa: Eu não faria nada de diferente, não. Repetiria tudo novamente.
*Globo esporte






CIRCUITO BANCO DO BRASIL: Juliana e Larissa são tetracampeãs no Paraná


Mais uma vez, Juliana e Larissa (CE/PA). Com despedida marcada para a próxima etapa do Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia, a dupla segue brilhando na temporada 2012/2013 e conquistou, neste DOMINGO (18.11), o título da quinta etapa, em Curitiba (PR). Na arena montada no Parque Barigui, as campeãs mundiais e medalhistas olímpicas derrotaram Talita e Maria Elisa (AL/PE) por 2 sets a 0, com duplo 21/19, para manter os 100% de aproveitamento na competição.

Talita e Maria Elisa formam a quarta dupla a tentar, sem sucesso, desbancar as heptacampeãs do Circuito Mundial em decisões na temporada 2012/2013 do Circuito Banco do Brasil. Antes delas, Ágatha/Bárbara Seixas (PR/RJ), em Cuiabá (MT) e Belo Horizonte (MG), Taiana/Val (CE/RJ), em Goiânia (GO), e Lili/Rebecca (ES/CE), em Campinas (SP), também caíram na final.
O título conquistado neste domingo é o de número 62 da dupla no Circuito Banco do Brasil. Destes, quatro foram conquistados no Paraná, com vitórias em Curitiba, em 2006, Londrina (PR), em 2007, e Foz do Iguaçu (PR), em 2008.

A uma etapa de afastar-se das quadras por tempo indeterminado, Larissa vibra com a despedida em grande estilo que a dupla vem conseguindo construir nas areias nacionais.

“Estou muito feliz por termos conseguido vencer novamente. É muito difícil conquistar cinco títulos consecutivos. Trabalhamos duro há nove anos e tudo que construímos entra em quadra conosco a cada partida. Essa vitória é toda nossa equipe. Vou me despedir na próxima etapa e espero que a gente consiga manter a sequência para fechar a parceria com chave de ouro”, diz Larissa.
Com o título em Curitiba, Juliana e Larissa alcançaram os 2.000 pontos na temporada e lideram com folga a classificação. Talita e Maria Elisa, que também irão se separar em dezembro e disputaram na capital paranaense a primeira final na temporada, ganharam uma posição com o vice-campeonato e passaram ao segundo lugar, com 1.520 pontos, deixando para trás Lili e Rebecca, que têm 1.480, e Ágatha/Bárbara Seixas, que soma 1.440.

“Tivemos bons momentos na final, mas não conseguimos mantê-los por muito tempo. Fomos muito bem nos contra-ataques, gerando muitas oportunidades, mas a virada de bola não acompanhou o mesmo ritmo. Elas jogaram muito bem e tiveram méritos, mas também erramos demais e facilitamos o jogo para elas”, analisa Talita.

Na disputa de terceiro lugar, Lili e Rebecca subiram ao pódio pela segunda vez consecutiva depois de derrotarem Taiana e Val (CE/RJ), de virada, por 2 sets a 1, parciais de 15/21, 21/19 e 15/13.

A sexta etapa do Circuito Banco do Brasil 2012/2013, e última do calendário neste ano, será disputada no Rio de Janeiro (RJ), entre os dias sete e nove do mês de dezembro.

Sport divulga datas do peneirão


Os interessados em participar da equipe masculina de vólei do Sport já podem se preparar. É que no período de 26 de novembro à 17 de dezembro acontecerá o peneirão de vôlei do Sport que terá a supervisão do técnico Carlão. Os interessados deverão ter idades entre 14 e 16 anos completos ou a completar até o final deste ano. As atividades acontecerão nas segundas e quartas, na quadra de areia, às 16:30h. O objetivo de Carlão é selecionar atletas para formar as equipes infantil e infanto-juvenil de 2013. O Sport está esperando por você, compareça.

Uninassau/Recife é convidada para participar da I edição da Superliga Universitária


A Uninassau foi convidada pela CBV para participar da I edição da Superliga Universitária. A competição será realizada no período de 10 a 16 de dezembro em local ainda a ser definido. A edição deste contará com 8 Instituições de Ensino Superior convidadas pela CBV e só acontecerá no naipe masculino. Os jogos serão transmitido pela internet e a final será transmitida pelo SPORTV. O regulamento da competição será semelhante ao da Liga Nacional Universitária.

Jogos Comunitários do Interior de Pernambuco


Aconteceu na semana passada os Jogos Comunitários do Interior de Pernambuco-JOCIPE. Evento importante do calendário esportivo pernambucano, a edição deste ano foi realizado em Garanhuns, cidade do agreste pernambucano conhecida como a cidade das flores. O lado positivo deste ano foi o nível técnico, pois cada cidade pode contar com a até 2 atletas convidados. Sendo assim, vários atletas da região metropolitana do Recife reforçaram algumas seleções deixando a competição mais acirrada. 

Atletas como Thiago Trajano, Fabiano Negão, Francismar Garrido, Tassio Tardelli, windson Pedroza e o levantador Cacau participaram do evento. No feminino, Garanhuns sagrou-se penta-campeão ao vencer Barreiros na final. Camaragibe terminou com a 3ª colocação No masculino, Carpina conquistou o título sem perder um set. Jaboatão ficou com a prata e Garanhuns com o bronze. Parabéns aos vencedores.

Texto de: http://carlosfreitasvolei.blogspot.com.br/

Potiguar Virna Dias no "Especial Superliga"


Depois de o campeão olímpico Nalbert iniciar a série com grandes  personagens da história da Superliga, chegou a vez de uma guerreira contar suas experiências na competição. A potiguar Virna Dias, dona de duas medalhas olímpicas, deixou o seu nome marcado no voleibol brasileiro. Ao todo, foram quatro títulos da mais importante competição de clubes do Brasil. A ex-jogadora levantou o troféu de campeã nas temporadas 98/99 (Uniban-SP), 00/01 (Flamengo-RJ), 02/03 (BCN/Osasco-SP) e 08/09 (Rexona Ades-PR).

Apesar de valorizar todas as conquistas, Virna não esconde um carinho especial pelo título com a camisa do Flamengo.
“Nós tínhamos a quarta força do campeonato e acabamos campeãs. Foi incrível. Vencemos na base da superação. O grupo estava com os salários atrasados e conseguimos grandes atuações”, afirmou Virna.
Sobre a final, disputada no ginásio do Maracanãzinho lotado contra o Vasco, a medalhista olímpica diz ter feito um dos jogos da sua vida.

“Nunca vou me esquecer daquele dia. Sou flamenguista e só de lembrar aquele ginásio inteiro gritando o meu nome fico emocionada. O Vasco tinha um grande time, mas sabia que aquele título seria nosso. Naquele dia estava inspirada. Até hoje as pessoas se lembram daquela final. Foi uma decisão decidida no tie-break que marcou época ”, disse a ex-jogadora.
Para Virna, a Superliga proporciona experiências inesquecíveis tanto para as jogadoras como para o público.
“Essa competição foi marcante na minha vida. Os campeonatos sempre foram muito equilibrados. Eu me lembro do título pela Uniban. Tínhamos um belo time, com a Fofão, a Janina, a Ida e a Patrícia Coco. Não éramos as favoritas, mas vencemos o time do Rexona na decisão”, recorda a ex-ponteira.

Sollys/Nesté e Unilever: os favoritos de Virna
Mãe de dois meninos, dona de duas medalhas olímpicas e diversos títulos com a camisa da seleção brasileira, comentarista da Rede Record e consultora de duplas de vôlei de praia, Virna tem um currículo vasto, que a deixa tranquila para dar seus palpites para a edição da Superliga que terá seu início no dia 23 de novembro.
“Sollys/Nestlé (SP) e Unilever (RJ) continuam sendo as principais forças da competição. O time de Osasco tem a base da seleção campeã olímpica e a Unilever se reforçou com a chegada da Fofão e da Logan Tom. Sem contar a Natália, que é o futuro do nosso voleibol”, analisou Virna, que citou ainda as equipes da Amil/Campinas e do Sesi-SP como possíveis surpresas.
CBV

I Festiva SESC de Voleibol: competição reúne equipes baianas

Foi realizado entre os dias 2, 3 e 4 de Novembro em Salvador o I Festiva SESC de Voleibol.  A  iniciativa para incentivar, divulgar e ampliar o voleibol baiano aconteceu na Unidade Aquidabã, com participação de 5 equipes no feminino e 8 equipes no masculino. 

Um feriadão com Vôlei de Qualidade,  em uma competição com  custo baixíssimo, alta organização, e tranquilidade.

Equipes vencedoras 


No Feminino Adulto: Campeã a equipe ELLAS
                      Segundo colocado equipe SALESIANO SALVADOR
                      Terceiro colocado equipe RCP

Masculino Adulto: Campeão a equipe Paulo Afonso
                              Segundo Colocado equipe Master 35+
                              Terceiro Colocado equipe UFBABA


Copa Estado da Bahia 2012 : Esporte Clube Vitória conquista título em Vitória da Conquista


O time de voleibol masculino adulto do Vitória, disputando entre os dias 2 e 4, em Vitória da Conquista, a Copa Estado da Bahia 2012 masculino adulto, conquistou invicto o título, sagrando-se bicampeão estadual da competição, com cinco vitórias.

Na fase de classificação, a equipe venceu os representantes da cidade de Luís Eduardo Magalhães, Barreiras e Porto Seguro, todas por 2 sets a 0.

Na semifinal, eliminou o Vôlei Conquista, por 2 sets a 0, e na decisão ganhou do Clube Conquista, também por 2 sets a 0, conquistando o título sem perder um set sequer.

Informação: Site ECV)

CIRCUITO BANCO DO BRASIL: Juliana e Larissa supera Lili e Rebecca e conquista o título da quarta etapa


 Com a experiência e o retrospecto a favor, Juliana e Larissa (CE/PA) não vacilaram. Na manhã deste DOMINGO (04.11), a dupla medalhista olímpica superou Lili e Rebecca (ES/CE) por 2 sets a 1, parciais de 17/21, 21/15 e 15/7, e conquistou o título da quarta etapa do Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia 2012/2013. Talita e Maria Elisa (AL/PE) ficaram em terceiro lugar na competição disputada no Parque Taquaral, em Campinas (SP), que contou com ótimo público durante todo o final de semana.

Foto da notícia
Com a conquista, a dupla campeã mundial mantém sua hegemonia na temporada nacional. Com quatro títulos em quatro etapas disputadas, Juliana e Larissa venceram 19 dos 20 jogos que disputaram nas areias nacionais desde o começo da competição. Destes, quatro foram diante de Lili e Rebecca, adversárias das bicampeãs pan-americanas em todas as etapas de 2012/2013.


O quarto título consecutivo ampliou a vantagem da dupla na classificação da temporada. A duas etapas do fim da parceria, Juliana e Larissa somam agora 1.600 pontos, 400 a mais que as vice-líderes na classificação, Ágatha e Bárbara Seixas (PR/RJ). Com o vice-campeonato da etapa paulista, Lili e Rebecca alcançaram Talita e Maria Elisa e dividem a terceira posição com a dupla olímpica, com 1.160 pontos conquistados.

“Queremos sempre deixar o nosso máximo dentro de quadra e hoje nosso melhor foi essa virada. Comecei meio devagar, mas depois melhorei no bloqueio, a Larissa ajudou no saque, e conseguimos virar. Fez muito calor na hora do jogo e sentimos um pouco o cansaço do fim da temporada, mas o importante é voltar para casa mais uma vez como campeã”, diz Juliana, eleita a melhor jogadora da decisão.

Este é o segundo título conquistado pela dupla nas areias de Campinas. O primeiro foi na temporada 2005. A parceria chegou ainda ao pentacampeonato no Estado de São Paulo, com vitórias também em Guarulhos (SP), em 2006, São José dos Campos (SP), em 2010, e Guarujá (SP), em 2011.

Juntas há apenas dois meses, Lili e Rebecca disputaram em Campinas a primeira decisão juntas. Apesar da derrota, a dupla avaliou como positiva sua participação na etapa e também a atuação na decisão.
“Foi a primeira final da Rebecca e, como já passei por isso também, sei bem como é difícil. Começamos o jogo muito bem, mas passamos a errar demais a partir do segundo set. Independente disso, não desistimos do jogo e mostramos nossa postura guerreira. Estou muito feliz por termos chegado à primeira final e por estarmos comprovando a qualidade do nosso trabalho com bons resultados”, diz Lili

Na disputa de terceiro lugar, Talita e Maria Elisa superaram Ângela e Neide (DF/AL) de virada (16/21, 21/17 e 16/14), devolveram a derrota sofrida na mesma fase na etapa de Belo Horizonte (MG), e subiram ao pódio pela segunda vez na temporada.
A quinta etapa do Circuito Banco do Brasil 2012/2013 será disputada em duas semanas, entre os dias 16 e 18 de novembro, em Curitiba (PR). O torneio será realizado no Parque Barigui.

CIRCUITO BANCO DO BRASIL: final cearense em Campinas


Foto da notíciaJuliana e Larissa (CE/PA) jogam juntas há nove anos e estão na 75ª final da dupla no Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia. Lili e Rebecca (ES/CE) formaram parceria há quatro torneios e chegam à decisão pela primeira vez. São estas as finalistas da quarta etapa da temporada 2012/2013, que acontece na arena montada no Parque Taquaral, em Campinas (SP). A decisão, marcada para as 10h deste DOMINGO (04.11), terá transmissão ao vivo pelo canal Sportv.

A decisão será transmitida também pelo site da Confederação Brasileira de Voleibol - http://www.cbv.com.br/v1/cbbvp/aovivo.asp. Usuários de Iphones, Ipads e Ipods poderão acompanhar a competição através do aplicativo da CBV, disponível para download no link http://www.cbv.com.br/v1/cbbvp/app.asp

Com separação anunciada para o fim do ano, Juliana e Larissa parecem não se desmotivar com o fim iminente da dupla. Campeãs das três primeiras etapas do ano, as medalhistas olímpicas voltam a chegar à decisão com uma campanha perfeita, com quatro vitórias e nenhum set perdido.

O último resultado positivo veio no duelo olímpico da semifinal, quando as bicampeãs pan-americanas superaram Talita e Maria Elisa (AL/PE) com duplo 21/17. Esta foi a 32ª vitória da dupla sobre as rivais em 43 duelos.
“É muito bom chegar a mais uma final. Os jogos contra Talita e Maria Elisa são sempre muito bons, decididos nos detalhes. Entramos muitos concentradas e acabamos levando a melhor por termos errado menos. Estou curtindo cada torneio antes da minha parada e vamos tentar ganhar mais um título, jogando muito focadas”, afirma Larissa.

Motivação também não falta a Lili e Rebecca. Juntas há cerca de dois meses, a capixaba e a cearense estão na final pela primeira vez jogando juntas. Enquanto Lili tem três finais no currículo e ainda busca o primeiro título, Rebecca, de 19 anos, estreará em decisões.
Na semifinal, a dupla reencontrou suas ex-parceiras, Ângela e Neide (DF/AL), e venceu por 2 sets a 0, parciais de 21/12 e 21/15.
“Estou muito feliz por essa primeira final. Formamos a dupla há pouco tempo e estamos conseguindo bons resultados. Começamos o torneio com derrota e uma atuação ruim, mas conseguimos melhorar muito na base da conversa. A semifinal tinha tudo para ser muito equilibrado, já que eu jogava com a Neide e a Lili com a Ângela, então todas nos conhecemos bem, mas acho que valorizamos menos os erros do que elas e isso ajudou. Estou muito animada para a final e vou tentar fazer o de sempre, dar o meu melhor e lutar pela vitória”, diz Rebecca.

Juliana/Larissa e Lili/Rebecca mediram forças nas três primeiras etapas da temporada e, em todas elas, as medalhistas olímpicas levaram a melhor.

A disputa de terceiro lugar, reunindo Talita/Maria Elisa e Ângela/Neide, será uma reedição da etapa de Belo Horizonte, quando a brasiliense e a alagoana levaram a melhor e foram ao pódio. O jogo terá início às 9h.