Técnico do RJX ajuda jovens da Seleção Baiana de Vôlei


Técnico de um dos elencos mais fortes e caros da Superliga, o Gaúcho Marcelo Fronckowiak, treinador da equipe carioca RJX, ajudou nesta semana a seleção baiana masculina de vôlei a melhorar o nível de suas atividades de treinamento para a disputa do Campeonato brasileiro de Seleções.

O conhecimento sobre as dificuldades no acesso a materiais de treino e a falta de estrutura enfrentada pelos dos jovens baianos, veio depois de conversas com o amigo Alex Rufino, atual treinador da equipe baiana.

Os treinadores se conheceram em 2001, em Joinville, Santa Catarina, onde fizeram o curso nível II para treinadores, realizado pela confederação brasileira de vôlei. Desde então se tornaram amigos.

“A doação do material foi um pedido que eu o fiz, pois alguns meninos tem dificuldade em comprar um material adequado para prática do esporte, ele (Marcelo) falou com o agente Geraldo Maciel que também é agente de inúmeros jogadores e nos mandou: tênis, estabilizador e joelheira.Depois que eu postei as fotos da doação, os meninos ficaram alvoroçados, pelo material e por quem mandou, tanto que domingo iremos treinar na Asbac e estão todos loucos para que chegue o domingo,declarou o treinador Alex.

Geraldo Marciel  é conhecido por atitudes que ajudão bons projetos, foi ele a pessoa responsável por encontrar os materiais, e arcou inclusive com as despesas  do envio do material de Balo Horizonte para Salvador.

A seleção baiana, irádisputar o Campeonato Brasileiro de Seleções no Mato Grosso do sul no mês de Junho, são 12 seleções em cada divisão, onde os três primeiros colocados da segunda divisão ascendem para primeira e os três últimos da primeira caem para segunda.

O libero Tassio Sarmento falou sobre o presente: “É bastante importante porque muitos não teriam como comprar, são materiais importante pra um atleta. Um bom tênis , uma joelheira e o estabilizador é necessário pra uma boa segurança.

Nos dois últimos brasileiros os baianos conquistaram o quinto e quarto lugares, a expectativa é que nesse ano voltem elite do vôlei brasileiro.






Falta vôlei no Nordeste e quem sofre com isso são os torcedores



No ano de 2000 eu vivia o auge dos meus 13 aninhos, não conhecia muito de vôlei, afinal de contas  o Brasil é o pais do futebol e para quem mora no interior do Nordeste essa premissa ainda se faz mais verdadeira, uma vez que,  essa é a única opção, pelo menos no meu tempo. Em 1999 conheci de fato este esporte, a pessoa a apresentar esse linda modalidade foi a  minha tia,  que assistia naquela época  algumas partidas de vôlei da seleção masculina, isso, quando a globo decidia fazer o favor de transmite as partidas .

Sou muito grata a minha tia, afinal de contas ela me apresentou e fez, com sua paixão contagiante pelo esporte, torna-me tão apaixonada quanto ela. No ano de 2000, eu conheci a Superliga, a cada partida assistida meu amor ia aumentando. Meu time, bom eu não tinha um time, mas a minha tia tinha uma equipe que era apaixonada, um tal de Minas, que dizia ser o melhor time do mundo. Bom, pra mim, depois de uma temporada de competição ficou provado que o Minas era ó time, e sim o melhor do mundo.

Vencemos aquela superliga de 1999/2000 e mais a de  2000/2001,  2001/2002 e 2006/2007. Minha paixão aumentava a cada partida, a cada ano de emoção. Que lindo que é o esporte, e como ele tem o poder de nos fazer acreditar sempre na vitória, em admirar a técnica. Tornaria a partir de 2000 uma fã louca e frustrada.  Sim, muito frustrada.

Qualquer fã quer ver seu ídolo de perto, quer ver uma partida gritando e incentivando a equipe. Ué, eu também queria sentir esse prazer de ver  uma final de superlia, ou uma  partida da Liga mundial. Mas essa vontade louca, não seria possível, e ainda não é, e isso é o mais chato  da história.

Moro no Nordeste, no interior do Nordeste, um lugar “perto de Salvador,” as condições monetárias por aqui não são  de pobreza, mas não dá também pra visitar a capital mineira e assistir a uma partida de vôlei, tendo que bancar passagem, hospedagem e alimentação. Enfim, não posso ainda ver os meus ídolos, não posso ainda sentir essa emoção que minhas amigas mineiras e cariocas esperam tanto em épocas de competição, cá pra nós como é bonito ver um ginásio lotado com fãs loucamente apaixonados pelo time, gritando, incentivando a todo o momento o time. Eu só sei disso pela TV.

As vezes acho que deveria me conformar, afinal de contas em meu estado não tem nenhuma equipe de vôlei. Mas não me  conformo, porque isso é triste. Porque  vôlei de auto rendimento não deveria ser restrito como privilégio de uma parte da população, essa localizada na região, sudeste e centro-oeste. Porque só tem acesso ao vôlei pessoas que moram nestas regiões. (exceto algumas exceções).

No dia 22/11 de  2012 o jornal folha de São Paulo publicou  em seu site uma reportagem com o título: “Confederação de vôlei quer implantar Superliga itinerante” a matéria dava destaque para a falta de times do Nordeste na maior competição da modalidade  no pais. Até coisa normal. No entanto, algo chamava minha atenção, uma declaração do Senhor presidente da federação internacional dizia:
“Para evitar que apenas duas regiões abriguem jogos do torneio, a entidade pretende implantar uma Superliga itinerante. Para popularizar ainda mais o vôlei, vamos viajar pelo Brasil. É preciso pensar não só no lado esportivo, mas também do marketing. Muitas empresas querem expor suas marcas em novos mercados O Estado que quiser um jogo da Superliga só precisa nos ligar que vamos levar”.

Ual, viva ao Ary, viva a CBV. Tá bom, isso ainda não aconteceu e não será nessa temporada que vou assistir a uma partida do Minas, para minha tristeza passarei mais uma temporada e continuarei frustrada por não ver meus ídolos, por não acompanhar uma partida..

O que quero dizer com esse texto, falando da minha paixão e do meu amor pelo Minas, que hoje divide o meu coração com o time do Sada/Cruzeiro a quem admiro muito. É que, além da torcida mineira, carioca, paulista, existe um monte de outras  torcidas. Torcedores que não tem condições pra viajar, torcedores apaixonados que querem ver seus times de perto, que querem torcer,  ver um jogo em seu  estado. E isso deveria ser garantido pela confederação, afinal de contas somos um só país, mas no vôlei, parece que Brasil é igual a Rio, São Paulo e Minas.

Ficheiro:Brazil - Wolrd League 2009.jpg




Álvaro Filho é o novo parceiro de Ricardo

Foto da notícia Letícia Pessoa, técnica da seleção masculina de vôlei de praia, e sua comissão definiram quem passará a jogar ao lado de Ricardo, que ficou sem parceiro após a aposentadoria de Pedro Cunha. Trata-se de Álvaro Filho, um dos 15 convocados que treinam no Centro de Desenvolvimento do Voleibol, o Aryzão, em Saquarema (RJ).

Álvaro Filho é natural de João Pessoa (PB), tem 22 anos, 1,85m e 78Kg. É jogador de defesa e uma jovem revelação das areias, tendo sido campeão brasileiro sub-19, em 2008, e sub-21, em 2008, 2009 e 2010. Na atual temporada, conquistou a etapa do Peru do Circuito Sul-Americano 2012/2013, ao lado de Thiago. Leticia Pessoa conta como chegou ao nome do novo parceiro de Ricardo.

“O Álvaro vem demonstrando uma maturidade e uma evolução muito grandes. Tem sido, inclusive, um dos melhores na seleção. E o Ricardo queria jogar com um atleta mais novo. Depois de conversarmos, chegamos ao nome do Álvaro. O Ricardo gostou e está bem empolgado. E o Álvaro está muito feliz. Ele cresceu na Paraíba vendo o Ricardo ser campeão. Ele diz ser um sonho e sabe que, agora, formam um dos principais times para defender o país”, disse Letícia.

Até então, o paraibano Álvaro Filho fazia dupla com Thiago, outro atleta da seleção. Letícia afirma que o mesmo processo que foi feito para se chegar ao melhor nome para jogar ao lado de Ricardo será realizado agora pela comissão técnica para escolher um novo parceiro para o carioca Thiago. Aliás, são dois atletas que têm sido bastante elogiados pela treinadora.

“Assim como o Álvaro, o Thiago está bem demais na seleção. É outro que tem evoluído muito com os treinos em Saquarema e está sempre à disposição para realizar o melhor trabalho possível. Agora, eu e a comissão técnica vamos estudar o melhor nome para jogar ao lado dele”, comentou a treinadora, ressaltando que, ao lado de Álvaro, Thiago tem se apresentado bem no Circuito Banco do Brasil Vôlei de Praia. Em Maceió (AL), na última etapa, a dupla ficou em quinto lugar.

Da idolatria à parceria
A diferença de idade entre Álvaro Filho e Ricardo é de 16 anos. Não à toa o paraibano tem o baiano como um de seus ídolos no esporte. Aliás, os dois treinam há algum tempo no mesmo centro em João Pessoa (PB).

“Sempre quis jogar ao lado do Ricardo, que é um ídolo, uma referência no vôlei de praia. Mas tenho que vê-lo, a partir de agora, como um parceiro. É uma novidade, mas encaro isso tudo com naturalidade, como já tinha acontecido quando joguei com outros atletas experientes, como Fábio Luiz e Benjamin. Todos os meus parceiros foram fundamentais para eu chegar onde cheguei. Só tenho a agradecer ao Thiago por todo tempo que jogamos juntos. Foi importante demais para o meu desenvolvimento”, declarou Álvaro.

Ouro nos Jogos Olímpicos de Atenas/2004, prata em Sydney/2000 e bronze em Pequim/2008, Ricardo fala sobre esse novo desafio em sua carreira.

“O Álvaro é um atleta que vem crescendo muito no circuito nacional, foi eleito revelação alguns anos atrás e, hoje, é meu parceiro na seleção, o que torna tudo mais fácil. É um grande defensor e eu continuo na minha posição de origem. Acho que tem tudo para dar certo. Espero que a gente faça uma grande dupla. Estou triste por um lado, pelo Pedro (Cunha) ter parado, mas feliz por outro, com esse novo projeto”, analisou Ricardo.

UNIVERSIDADE CORPORATIVA: Inscrições abertas para Curso Nacional de Treinadores em Maceió




A Universidade Corporativa do Voleibol (UCV) lança mais um curso em 2013, desta vez em Maceió (AL). Trata-se do Curso Nacional de Treinadores - Nível II, que habilita o profissional a elaborar planos de treinamento e a dirigir equipes até a categoria infanto juvenil.

As aulas teóricas serão ministradas no auditório do Estádio Rei Pelé, enquanto as aulas práticas serão realizadas no ginásio da Federação Alagoana de Voleibol. O curso, que tem como diretor o professor Josenildo Carvalho, acontecerá de 14 a 21 de abril. As inscrições foram abertas nesta SEGUNDA-FEIRA (18.03).

“O objetivo principal desse curso é capacitar treinadores para dirigir equipes até a categoria infanto juvenil. Como realizamos o curso de Nível I em Maceió em 2012, a Federação de Alagoas solicitou que levássemos o de Nível II este ano. Esse aprendizado voltado para o voleibol precisa ser exercitado. A procura é sempre grande e existem muitos profissionais de Educação Física interessados em aperfeiçoar esse conhecimento e se desenvolver no esporte”, disse Josenildo.

As disciplinas do curso são as seguintes: 1) História, organização e desenvolvimento; 2) Aprendizagem motora; 3) Fundamentos do Vôlei de Praia II; 4) Tática coletiva I; 5) Organização de uma sessão de treino; 6) Organização e direção de equipes; 7) Planejamento e gestão de equipes iniciantes; 8) Fisiologia II; 9) Teoria do treinamento e preparação física II; 10) Regras oficiais; 11) Assuntos especiais; 12) Psicologia; 13) Fisioterapia; 14) Nutrição.

CURSO NACIONAL DE TREINADORES – NÍVEL II
Local:
- Auditório Estádio Rei Pelé – aulas teóricas
- Ginásio da Federação Alagoana de Voleibol/V2 – aulas práticas
Período:
- 14 a 21 de abril de 2013
Diretor do curso:
Prof. Josenildo José da Rocha Carvalho (PE)
Instrutor:
Prof. José Caetano Veras Rocha (AL)
Convidado:
Prof. Hugo Gustavo Franco Sant’Ana (AL)
Inscrições:
Federação Alagoana de Voleibol
- Telefones: (82) 8821-2646 / (82) 9198-3528
- E-mail: fav.alagoas@gmail.com
Informações:
Universidade Corporativa do Voleibol
- Telefone: (21) 2114-7277
- E-mail: universidadecorporativa@volei.org.br

Campeonato Brasileiro de Seleções Juvenil Feminina 1º divisão: Ceará e Rio Grande do Norte representam o Nordeste.


Reportagem: Site Federação cearense de vôlei
Em busca do título na categoria juvenil, a seleção cearense feminina irá disputar em São José dos Pinhais, Paraná, o Campeonato Brasileiro de Seleções. Chegou a hora das nossas meninas conquistarem o título da competição, que será disputada no período de 18 a 23 de março.

Na estreia da competição, as cearenses enfrentarão o Rio de Janeiro. O Ceará está na chave “C”, ao lado de Santa Catarina, Rio de Janeiro e Tocantins. Na chave “A” estão Minas Gerais, Paraná, Pará e Rio Grande do Norte. Já na Chave “B” estão São Paulo, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul.

As 12 convocadas para defender o Ceará na competição são as levantadoras Raphaella, Josiane e Priscila; as centrais Mariana, Hegeile e Larissa; as ponteiras Tereza, Vânia, Madalena e Bárbara; a oposta Ariany; além da líbero Fernanda.

O técnico cearense, Franzé Moreira, acredita que mesmo com a dificuldade que irão encontrar, suas comandadas estão preparadas para fazer uma boa competição. Nossa equipe tem baixa estatura, porém estamos sacando bem e com boa manutenção na defesa.

"Vai ser um campeonato muito difícil, jogaremos contra equipes fortes e que possuem atletas de clubes que disputam a Superliga. Nossas jogadoras estão preparadas e espero que tenhamos uma boa atuação. Vamos levar desvantagem no quesito bloqueio, já que as jogadoras do sul/sudeste são naturalmente altas. Vamos ter que colocar o voleibol que sabemos e a vontade de vencer, em quadra.

Assim como o técnico Franzé Moreira, a atleta Josiane, uma das levantadoras da equipe e que também entra na linha de defesa, acha uma grande oportunidade para toda equipe, pois, na competição estarão reunidas as 12 melhores atletas do Estado. Além disso, é uma grande experiência, são grandes seleções procurando sempre mostrar o melhor do seu voleibol, e em busca do mesmo objetivo, o de ser campeãs.

"Espero que a gente faça uma boa competição, e que consigamos o desempenho desejado. O campeonato vai ser disputado, porém estou preparada, estamos num ritmo de treino muito pesado, e nosso foco é garantir uma medalha. Os nossos principais adversários serão Minas, Rio e São Paulo, mas vamos com tudo”, disse Ariany, natural de Juazeiro do Norte e que estará disputando seu segundo Campeonato Brasileiro.


Grupo A: Paraná, Minas Gerais, Pará e Rio Grande do Norte.
Grupo B: São Paulo, Rio Grande do Sul, Distrito Federal e Mato Grosso do Sul.
Grupo C: Rio de Janeiro, Ceará, Tocantins e Santa Catarina.

Talento sergipano é destaque na equipe do Sesi


Jovem talento e já exemplo a ser seguido pela nova geração do vôlei nordestino, o sergipano também conhecido como Aracaju, foi destaque nos últimos jogos do Sesi, onde teve a missão de substituir Thiago Barth, que acabou se lesionando antes da partida. Aos 19 anos, o camisa 2 não se importou em ser seu primeiro playoff da carreira e fez 13 pontos na primeira  partida do melhor de três com 09 pontos de ataque e 04 de bloqueio,   no segundo jogo, no entanto, o sergipano sentiu o peso da partida, fazendo apenas quatro pontos.


Hoje a disputa é decisiva. É vencer ou vencer. Para se manter na competição o Sesi precisa da Vitória e mais uma vez o time paulista contará com a participação do Aracaju.


O técnico sergipano Helder Oliveira, contou como o jogador ingressou no mundo voleibolistico:
O Leandro chegou a minha escola com 16 anos, veio fruto do trabalho da professora Cida que passou-o para minha equipe. Ganhamos as seletivas e viajamos para Maringá para os Jogos escolares isso em novembro de 2009.
Lá ele arrebentou e foi visto por olheiros de todo o Brasil, mas foi o professor de São Bernardo que solicitou um teste para ele em sua cidade. O patrocinador da equipe deu pra trás forçando o fim da base de São Bernardo, sendo indicado para o SESI onde permanece até os dias de hoje.”
Em 2012 Aracaju conquistou títulos importantes, como a Copa Pan-Americana, no Canadá, e a Sul-Americana, em que ele também foi eleito o melhor bloqueio da competição.
Em entrevista ao Globo Esporte, o Sergipano revelou as metas para 2013.

O objetivo para 2013 é a conquista do Campeonato Mundial, que acontece no mês de junho, na Turquia. Outra meta para o futuro é alcançar a chance de integrar a seleção principal e disputar as Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro. - Sei que para o Rio de Janeiro é um pouco difícil, por conta da minha idade, mas não custa sonhar, vou batalhar para isso e continuar lutando pelo meu espaço. Ficar longe de casa, longe da família, dos pais e dos amigos é muito difícil, bate uma saudade imensa, mas estou lá em São Paulo lutando por um objetivo maior, e vou trabalhar para realizá-lo.”

Alguma dúvida que estaremos torcendo muito para a realização destes sonhos.








Maceió (AL) receberá núcleo do Viva Vôlei

Foto da notícia
 A parceria entre a Confederação Brasileira de Voleibol (CBV) e o Banco do Brasil vai inaugurar o 9° núcleo do VivaVôlei , o programa social da CBV, desta vez em Maceió (AL). O projeto conta ainda com o apoio das Secretarias Municipais de Esporte e Educação. A festa acontecerá no SÁBADO (16.03), às 9h, no ginásio Tenente Madalena, no bairro Cambona.

A comemoração contará com a presença do presidente da Federação Internacional de Voleibol (FIVB), Ary Graça, do presidente em exercício da CBV, Walter Pitombo Larangeiras, o Toroca, do presidente da Confederação Sul-Americana de Voleibol (CSV), Rafael Lloreda, do Prefeito Municipal de Maceió, Rui Palmeira, e do representante da Federação Alagoana de Voleibol, Roberto Fernandez, entre outros.

O padrinho do primeiro núcleo VivaVôlei em Maceió será o campeão olímpico Carlão. O ex-jogador admitiu que o nordeste traz ótimas lembranças de sua carreira.

“Eu comecei a jogar voleibol no nordeste e minha primeira convocação para a seleção brasileira juvenil foi em Maceió. Eu gosto muito de trabalhar com a garotada. Acho fantástico poder inicia-las no esporte, seja ele qual for. É sempre muito importante fazer parte de um evento como esse”, contou Carlão.

O Gerente do VivaVôlei, Marcos Aurélio Gonçalves, destacou a importância da inauguração de mais um núcleo em parceria com o Banco do Brasil, com tantas presenças importantes.

“Esta vai ser a 9° inauguração em parceria com o Banco do Brasil, e de forma pioneira em Maceió. As crianças do bairro Cambona serão beneficiadas com o que tem de melhor na associação ao esporte. As parcerias com a Prefeitura e as Secretarias Municipais de Esporte e Educação, estão sendo vitais para que possamos por em prática os nossos objetivos sociais. Nada melhor do que contarmos com a presença do Ary Graça, do Toroca, do Rui Palmeira e do Carlão. Isso demonstra a força com que o VivaVôlei está chegando a Maceió”, disse Marcos Aurélio.

VIVAVÔLEI -
 Implantado em 1999 pelo presidente da CBV, Ary Graça, o Programa VivaVôlei tem como objetivo utilizar o esporte para sociabilizar crianças de 7 a 14 anos. Além de ter a chancela da Unesco desde 2003, o VivaVôlei recebeu a aprovação do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (CONANDA) para captar recursos através do Fundo Nacional para a Criança e o Adolescente (FNCA). Atualmente, existem 67 núcleos ativos espalhados por oito estados brasileiros.

I etapa do Circuito Baiano de Vôlei de Praia acontece nos dias 23 e 24 de março


Será realizado entre os dias 23 e 24 de março  a primeira etapa do Circuito Baiano de Vôlei de Praia. A competição, será realizada na praia de Armação, tendo inicio ás 8 horas do sábado. Como premiações serão oferecidos medalhas e troféus, além disso será escolhido pela federação  uma dupla que irá representar a Bahia no Circuito Brasileiro Sub 21 e Sub 19.

As inscrições poderão ser feitas até ás 18h do dia 22 de março, tendo como taxa 20 reais por atleta.  O congresso técnico acontece na sexta-feira (22) ás 19:30 na ASBAC, Pituba.

SUB 21, Somente serão possíveis inscrições de atletas com data de nascimento a partir de 1º de janeiro de 1993.

SUB 19, Somente serão possíveis inscrições de atletas com data de nascimento a partir de 1º de janeiro de 1995,

ABERTO – Serão aceitas inscrições de atletas com data de nascimento a partir de 1º de janeiro de 1992.

DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA PARA INSCRIÇÃO: 
Certificado do Atleta devidamente preenchido e assinado,
Xerox da Carteira de Identidade,
Xerox da Certidão de Nascimento,
CPF,
01 (uma) foto 3 X 4,
Atestado Médico,
Termo de Compromisso Preenchido e Assinado,
Comprovante de Depósito na Conta da FBV – R$ 40,00


Mais informações pelo telefone ou email:(71) 3321-5169 / 8195-6344 email (fbvvolei@ig.com.br).









Atleta infanto-juvenil do Vitória/BA é convocado para Seleção Brasileira


Reportagem: Esporte Clube Vitória



O técnico Percy Oncken, da Seleção Brasileira Infanto Juvenil masculina, anunciou os 17 convocados para a fase de treinamentos que será realizada noCentro de Desenvolvimento do Voleibol, em Saquarema (RJ), a partir do dia 25 de março, quando a equipe começara a preparação para a disputa doCampeonato Mundial, que será disputado no México, entre os dias 27 de junho e 7 de julho.
O site do Vitória destacou a pré-convocação do baiano Symon 


É do Vitória/ Faculdade Social da Bahia o único atleta de clube do Norte e Nordeste convocado para a Seleção Brasileira infanto-juvenil de voleibol masculino.
Com 16 anos de idade e 2m6 de altura, Symon Thales Silva de Lima (camisa 13 na foto) joga na posição de central (meio de rede) e chamou a atenção do técnico Percy Oncken, da Seleção Brasileira, pela qualidade técnica e a elevada estatura para um atleta de sua categoria.
Descoberto numa peneira realizada pelo técnico Gindson Soares, da equipe sub-20 do Vitória/FSBA, Symon, nascido em Salvador, no bairro de Santa Luzia do Lobato, conquistou no seu primeiro ano o título de campeão baiano juvenil 2012. 
No dia 25 de março, Symon se apresentará no Centro de Desenvolvimento do Voleibol, em Saquarema, no Rio, iniciando a preparação para o Campeonato Mundial, que ocorrerá em junho, no México.    
“Além de ter a hegemonia no voleibol baiano, o Vitória/FSBA busca ser em 2013 a melhor equipe nordestina. A convocação de Symon é resultado do trabalho qualificado que realizamos nas divisões de base” , destaca o diretor de esportes olímpicos, Mário Ferrari.
O coordenador  das equipes de vôlei do Vitória/FSBA é o ex-atleta Márcio Xavier.

Diário de bordo: Depoimento do Pernambucano Georg Emmerich, ponteiro do Hboub no Líbano




As dificuldades encontradas por jogadores nordestinos são muitas. Falta de patrocínio, pouco investimento no esporte, condições precárias para treinamento, e tantas outras situações que desmotivam qualquer atleta. Muitos jovens nesta situação desistem do sonho de se tornar jogador profissional, e vão em busca de outras alternativas, dentro ou fora do  mundo esportivo.

A história do ponteiro passador pernambucano Georg Emmerich foi de muitas dificuldades, no entanto o atleta nordestino nunca desistiu do esporte e coleciona títulos por times pernambucanos e internacionais. Equipes, idioma, futuro profissional, confira a trajetória do jogador e estudante de direito que trocou o calor de Pernambuco pelo frio do Líbano, onde defende a equipe Hboub  a duas temporadas.

    “Conheci sobre o Voleibol Libanês  em 2011, quando um amigo da Servia que já havia jogado no Líbano, me indicou para um time, , que logo se tornaria meu time e pela segunda temporada seguida. O nome Hboub é também o nome da Cidade, de quase 100% de católicos, povo do bem, acolhedor, alegre, amigo. Por ser um país onde há também muitos muçulmanos e refugiados da Síria ( por ser fronteira e estar em guerra), estou aprendendo cada dia mais  o significado de respeito pelo próximo, independente de religião, classe social, raça.”

Experiências, família
   Com a crise Europeia, o mundo Árabe está a cada temporada sendo mais procurado pelos jogadores de Voleibol e sem dúvidas é um privilégio jogar aqui. O legal de jogar fora do país, é você está podendo conhecer culturas, pessoas, lugares, e de forma rápida se adaptar a eles. É ter responsabilidade, é saber lidar com a pressão, saudade, raiva, dúvidas, decisões, indecisões, e resolver seus próprios problemas, é estar de certa forma  ( em meu caso), mais perto de Deus, no sentido de buscá-lo intensamente. Por outro lado, é estar longe de casa, dos amigos, família, dos aniversários, dos feriados, do NATAL, Ano Novo, do Carnaval.”

Temporada
   Nessa temporada 2012/2013, meu time, HBOUB está na 5° colocação. Em 8 jogos disputados, ganhamos 5 e perdemos 3. Estamos fazendo até então, um bom campeonato, tendo em vista que os alguns times tem um investimento bem maior, mas pecam na união e força coletiva. Ao todo são 13 equipes na 1° divisão e todas contam com jogadores estrangeiros, exceto o time do exército. Somando todos os  times, há até agora, 9 brasileiros jogando aqui.

Universidade, vôlei e futuro profissional   
Estou estudando Direito na UniNassau. 10° e último período. Pelo fato de jogar fora do país, ainda não me formei, e não é simples, todo ano tenho que trancar o curso e depois reabrir, mas já que a vida de atleta não é pra sempre, e foi essa que escolhi, temos que estar preparados e ter bolsa completa na Universidade é uma grande ajuda e temos que dá valor. Depois que me formar em Direito, só penso em exercer a profissão quando estiver de férias no Brasil, conciliando com os treinos, é claro, ou quando me aposentar do Voleibol. 

As mudanças no regulamento, impostas pela FIVB em 2013 vem trazendo várias reflexões, questionamentos e incômodos no vôlei de praia.
Quando ainda jogava nas areias, o atleta Pernambucano decidiu migrar para as quadras por não concordar com mudanças feitas pela confederação.
     Decidi largar o Vôlei de Praia, não por consegui resultados ou por achar que não me daria futuro, pelo contrário, quando larguei, estava em 13 do ranking brasileiro. Eu prefiro o vôlei de praia, mas as mudanças no regulamento que estavam e estão acontecendo no circuito brasileiro é realmente desestimulador e por isso, eu resolvi jogar vôlei de quadra e desde 2008 estou na luta, sempre com boas oportunidades e não me arrependo de nada.


Perfil:
 Georg Emmerich
 Ponteiro passador
06 /11/1984
Recife – Brasil

Principais Títulos:
3° lugar no sul-americano Juvenil
Vice campeão Brasileiro sub 21
3° Copa Scandivana
3° Campeonato Dinamarquês
Hepta campeão norte nordeste
Hexa Campeão Pernambucano
Vice Campeão Universitário








CBS JUVENIL MASCULINO – 1ª DIVISÃO: São Paulo recebe primeira competição do ano

Conhecido por revelar novos talentos para o voleibol brasileiro, o Campeonato Brasileiro de Seleções 2013 (CBS) começará a ser disputado nesta SEGUNDA-FEIRA (11.03), em Praia Grande, São Paulo (SP). E a categoria que começará a disputa é a Juvenil Masculina. As 12 equipes estão divididas em três grupos. No A, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná; no B, Pará, Distrito Federal, Rio de Janeiro e Alagoas; e no C, Minas Gerais, Pernambuco, Mato Grosso e Amazonas. O site da CBV transmitirá os jogos ao vivo.


Na fase classificatória, as seleções jogarão entre si dentro de seus grupos. A primeira rodada terá seis partidas. O mesmo acontecerá nas duas rodadas seguintes. A partir daí, serão realizados os jogos que darão início à definição da classificação geral, com as disputas das quartas de final.

Na quinta rodada, no dia 15, acontecerão as partidas semifinais. E, no último dia de competição, no dia 16, haverá a disputa de quinto a oitavo, a busca pela medalha de bronze e a final.
“Vale destacar a parceria que vem se firmando com o Ministério dos Esportes, viabilizando as melhores condições possíveis para o voleibol de base. As futuras gerações estão tendo a oportunidade de disputar uma competição de ótimo nível”, afirma Renato D’Avila, superintendente técnico da CBV.
No primeiro dia de disputas, as atividades começarão às 9h, com o confronto entre Pernambuco e Mato Grosso. Depois, às 11h, será a vez de Minas Gerais x Amazonas. Às 13h, Distrito Federal enfrentará Rio de Janeiro e, às 15h, jogarão Pará e Alagoas. Às 17h, Rio Grande do Sul duelará com Santa Catarina, e, no encerramento do primeiro dia de disputas, às 19h, São Paulo medirá forças com Paraná.

Na edição 2012, a seleção de São Paulo foi a grande campeã do CBS Juvenil Masculino, ao derrotar na decisão o Pará por 3 sets a 1. Na disputa do terceiro lugar, melhor para Minas Gerais, que desbancou Pernambuco por 3 sets a 2.

Confira a tabela completa:

CHAVE A: São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná

CHAVE B: Pará, Distrito Federal, Rio de Janeiro e Alagoas

CHAVE C: Minas Gerais, Pernambuco, Mato Grosso e Amazonas

PRIMEIRA RODADA (SEGUNDA-FEIRA – 11.03)

JOGO 01 – Pernambuco x Mato Grosso, às 9h
JOGO 02 – Minas Gerais x Amazonas, às 11h
JOGO 03 – Distrito Federal x Rio de Janeiro, às 13h
JOGO 04 – Pará x Alagoas, às 15h
JOGO 05 – Rio Grande do Sul x Santa Catarina, às 17h
JOGO 06 – São Paulo x Paraná, às 19h

SEGUNDA RODADA (TERÇA-FEIRA – 12.03)
JOGO 07 – Pernambuco x Amazonas, às 9h
JOGO 08 – Minas Gerais x Mato Grosso, às 11h
JOGO 09 – Distrito Federal x Alagoas, às 13h
JOGO 10 – Pará x Rio de Janeiro, às 15h
JOGO 11 – Rio Grande do Sul x Paraná, às 17h
JOGO 12 – São Paulo x Santa Catarina, às 19h

TERCEIRA RODADA (QUARTA-FEIRA – 13.03)
JOGO 13 – Mato Grosso x Amazonas, às 9h
JOGO 14 – Minas Gerais x Pernambuco, às 11h
JOGO 15 – Rio de Janeiro x Alagoas, às 13h
JOGO 16 – Pará x Distrito Federal, às 15h
JOGO 17 – Santa Catarina x Paraná, às 17h
JOGO 18 – São Paulo x Rio Grande do Sul, às 19h

QUARTA RODADA (QUINTA-FEIRA – 14.03)
DISPUTA DE 9º E 11º
JOGO 19 – 3º Chave A, B ou C x Terceiro 4º melhor, às 9h
JOGO 20 – Segundo 4º melhor x Primeiro 4º melhor, às 11h

QUARTAS DE FINAL
JOGO 21 – 1º lugar Chave A x 3º Chave B ou C, às 13h
JOGO 22 – 2º Chave B x 2º Chave C, às 15h
JOGO 23 – 1º Chave C x 2º Chave A, às 17h
JOGO 24 – 3º Chave A ou C x 1º Chave B, às 19h

QUINTA RODADA (SEXTA-FEIRA – 15.03)

DISPUTA DE 9º
JOGO 25 – Vencedor do jogo 19 x Vencedor do jogo 20, às 9h

DISPUTA DE 5º A 8º
JOGO 26 – Perdedor do jogo 21 x Perdedor do jogo 22, às 11h
JOGO 27 – Perdedor do jogo 23 x Perdedor do jogo 24, às 13h

SEMIFINAIS
JOGO 28 – Vencedor do jogo 21 x Vencedor do jogo 22, às 15h
JOGO 29 – Vencedor do jogo 23 x Vencedor do jogo 24, às 17h

SEXTA RODADA (SÁBADO – 16.03)

DISPUTA DE 5º E 8º
JOGO 30 – Perdedor do jogo 26 x Perdedor do jogo 27, às 9h
JOGO 31 – Vencedor do jogo 26 x Vencedor do jogo 27, às 11h

DISPUTA DE 1º E 3º
JOGO 32 – Perdedor do jogo 28 x Perdedor do jogo 29, às 13h
JOGO 33 – Vencedor do jogo 28 x Vencedor do jogo 29, às 1

CIRCUITO SUB-21 BANCO DO BRASIL –VERÃO: Duda/Tainá e Allison/Fábio são campeões em Campinas


Foto da notícia
 As duplas Duda/Tainá (SE) e Allison/Fábio (SC/CE) são as campeãs da segunda etapa do Circuito Sub-21 Banco do Brasil Vôlei de Praia Verão 2013. O torneio, realizado na arena montada no Parque Taquaral, em Campinas (SP), foi encerrado neste DOMINGO (03.03).

No torneio feminino, as jovens sergipanas Duda e Tainá, campeãs da etapa da Paraíba do Circuito Sub-19 Banco do Brasil Verão, ficaram com o título superando as líderes do ranking Mariana Chaia e Ana Carolina (RJ) por 2 sets a 0 (21/11 e 21/17) na decisão. Amanda e Thais (AL/RJ) garantiram a terceira posição com a vitória por 2 a 0, parciais de 21/15 e 21/14, diante de Paola e Roberta Glat (SC/RJ).

No masculino, a decisão teve vitória de Allison e Fábio sobre o sul-mato-grossense Saymon e o paraibano Léo Morais: 2 sets a 0, com duplo 21/16. Os rondonienses Renan Gustavo e Miranda superaram os cariocas Gabriel Macedo e Julio na disputa de terceiro lugar: 2 sets a 0, parciais de 21/19 e 21/13.

O Circuito Sub-21 Banco do Brasil Verão foi criado pela CBV para dar maior visibilidade à categoria. O torneio na cidade paulista é o segundo de três previstos para a temporada 2013. Brasília (DF) será a terceira cidade do país a receber as disputas, entre os dias oito e 11 de abril.

CIRCUITO SUL-AMERICANO: Nordestinos vão ao pódio no Peru

Foto: Só deu Brasil na final do Sul-Americano de Vôlei de Praia.
Parabéns aos nordestinos Alvaro Filho (PB) e Rebecca (CE)  pelo primeiro lugar na competição. E Hevaldo (CE) pelo terceiro lugar.

O Brasil reinou absoluto na quarta etapa do Circuito Sul-Americano de Vôlei de Praia 2012/2013, encerrada neste DOMINGO (03.03). Além de ter as duplas campeãs do torneio disputado em Lima, no Peru, no masculino e no feminino, o país viu suas quatro parcerias premiadas no pódio da competição. Lili/Rebecca e Thiago/Álvaro Filho ficaram com o ouro, Elize Maia/Fernanda Berti, com a prata, e Hevaldo/Edson Filipe, com o bronze.

Com os resultados, o Brasil mantém a liderança do ranking continental nos dois naipes. No feminino, as duplas brasileiras, campeãs de três etapas já disputadas, acumulam 780 pontos, contra 700 das parcerias argentinas. Entre os homens, o Brasil, campeão de duas etapas, lidera com 740 pontos, 20 a mais que o Chile. Até o momento, as parcerias brasileiras já garantiram 11 medalhas - cinco ouros, três pratas e três bronzes.

No feminino, o domínio brasileiro na etapa peruana foi evidenciando pelo duelo verde e amarelo na decisão. Juntas há mais tempo, Lili e Rebecca superaram Fernanda e Elize por 2 sets a 0, parciais de 21/14 e 21/18, para ficar com o título. A terceira posição ficou com as argentinas Ana Gallay e Virginia Zonta, que derrotaram as colombianas Claudia Galindo e Andrea Galindo por 2 sets a 0 (21/16 e 21/13).

Este foi o segundo título de Lili e Rebecca na temporada 2012/2013 do Circuito Sul-Americano. A dupla foi campeã da etapa da Argentina, a primeira da competição. Elize e Fernanda conquistaram a terceira medalha juntas no torneio continental. A dupla levou também o ouro no Uruguai e a prata no Chile.

No masculino, o duelo entre as duplas brasileiras na semifinal impediu a final verde e amarela. Thiago e Álvaro, que derrotaram Hevaldo e Edson Filipe por 2 a 1 (21/19, 21/23 e 15/10), avançaram até a decisão, onde superaram os primos chilenos Esteban e Marco Grimalt por 2 sets a 1, parciais de 21/16, 20/22 e 15/10, para ficar com o ouro.

Hevaldo e Edson Filipe, que jogaram juntos pela primeira vez nas areias peruanas, conquistaram o bronze depois de superarem os venezuelanos Farid Mussa e Leonard Colina por 2 a 1 (26/24, 19/21 e 18/16). 

A quinta etapa do Circuito Sul-Americano será disputada em Assunção, no Paraguai, entre os dias 22 e 24 de março.

Circuito Sul-Americano: Nordestinos vão a semifinal no Peru





Em um dia só de vitórias, o Brasil avançou suas quatro duplas às semifinais da etapa do Peru do Circuito Sul-Americano de Vôlei de Praia, neste SÁBADO (02.03). Enquanto no masculino Thiago/Álvaro Filho e Hevaldo/Edson Filipe se enfrentarão pela vaga na decisão, no feminino Lili/Rebecca e Elize Maia/Fernanda Berti jogarão contra duplas estrangeiras e poderão medir forças na decisão da quarta etapa da temporada 2012/2013, que acontece em Lima.

Invictos no primeiro dia de disputas em Lima, Thiago e Álvaro Filho mantiveram o ótimo aproveitamento na sequência da competição. A dupla garantiu a liderança do Grupo B com a vitória por 2 sets a 0, com duplo 21/9, sobre os peruanos Jorge Garcia e Jose Vargas e avançou sem perder sets às quartas, onde bateu os também locais Cesar Arguedas e Jose Amasifuen com parciais de 21/8 e 21/4.

Hevaldo e Edson Filipe, que precisavam vencer para avançar em segundo lugar no Grupo A, abriram o dia batendo os peruanos Roberto Saettone e Ignacio Saettone por 2 sets a 0, parciais de 21/8 e 21/10. Nas quartas, os brasileiros superaram os argentinos Julian Azaad e Ian Mehamed por 2 sets a 0 (21/16 e 21/18). A outra semifinal do torneio masculino reunirá Marco Grimalt/Esteban Grimalt, do Chile, e Farid Mussa/Leonard Colina, da Venezuela.

No feminino, Lili e Rebecca também chegam às semifinais invictas. A dupla fechou a fase classificatória superando as argentinas Georgina Klug e Natali Flaviani por 2 sets a 0 (21/9 e 21/11) e repetiu o placar diante das paraguaias Ighyrda Sanabria e Sonia Riquelme, com parciais de 21/10 e 21/11. Suas adversárias na semifinal serão as colombianas Claudia Galindo e Andrea Galindo.
Campeãs da etapa do Uruguai, Elize Maia e Fernanda Berti garantiram classificação às quartas com a vitória por 2 sets a 0 (21/3 e 21/5) diante das peruanas Katherine Romero e Yessenia Torres. Na fase eliminatória, a dupla brasileira passou pelas venezuelanas Orquidea Vera e Frankelina Rodrigues em dois sets (21/12 e 21/16) e agora jogará contra as argentinas Ana Gallay e Virginia Zonta na semifinal.

O Brasil ocupa a liderança do ranking sul-americano nos dois naipes. No feminino, o país lidera com 580 pontos, seguido pela Argentina, que tem 540. No masculino, brasileiros e chilenos dividem a ponta, com 560 pontos.

CIRCUITO SUL-AMERICANO: Lili/Rebecca e Thiago/Álvaro Filho estão nas quartas em Lima


 Seis vitórias em oito partidas e duas de suas quatro duplas classificadas para as quartas de final com uma rodada de antecipação. É este o saldo do Brasil nesta SEXTA-FEIRA (01.03), após as duas primeiras rodadas da quarta etapa do Circuito Sul-Americano de Vôlei de Praia, que acontece em Lima, no Peru.

Com duas vitórias cada, Lili/Rebecca e Thiago/Álvaro Filho já têm vaga garantida nas quartas. Elize Maia/Fernanda Berti e Hevaldo/Edson Filipe, que fecharam o primeiro dia com uma vitória e uma derrota, precisaram vencer o terceiro jogo da primeira fase, neste SÁBADO (02.03), para garantir sequência na competição.

A primeira rodada do Grupo A do torneio feminino colocou frente a frente as duas duplas brasileiras. No duelo, melhor para Lili e Rebecca, campeãs da etapa da Argentina, que superaram Fernanda e Elize, vencedoras da etapa do Uruguai, por 2 sets a 0, parciais de 21/12 e 23/21.

As líderes do ranking nacional voltaram a vencer na segunda rodada, batendo as peruanas Katherine Romero e Yessenia Torres por 2 sets a 0 (21/9 e 21/16). As brasileiras tentarão confirmar a liderança da chave diante das argentinas Georgina Klug e Natali Flaviani.
A dupla argentina foi a segunda adversária de Elize e Fernanda na capital peruana. Com segurança, as brasileiras venceram por 2 a 0 (21/17 e 21/8). Na terceira rodada, a parceria nacional tentará garantir a classificação diante de Romero e Torres.

No torneio masculino, Thiago e Álvaro Filho dominaram o Grupo B da competição. Na estreia, a dupla derrotou os chilenos Rodrigo Salinas e Cristobal Martines por 2 sets a 0, parciais de 21/16 e 21/18. Na segunda rodada, os brasileiros passaram por Gino Cardenas/Cristhian Alvarez, do Peru, também em dois sets: 21/9 e 21/7. Uma nova vitória, diante de Jorge Garcia/Jose Vargas, também do Peru, garantirá a liderança dos brasileiros.

No Grupo A, Hevaldo e Edson Filipe estrearam com derrota, diante dos primos chilenos Marco e Esteban Grimalt: 2 sets a 0, parciais de 19/21 e 18/21. Na segunda partida, os brasileiros reagiram e bateram os argentinos Santiago Etchegaray e Pablo Bianchi por 2 sets a 1 (21/17, 20/22 e 15/9). A dupla terá, na terceira rodada, um duelo decisivo com Roberto Saettone/Ignacio Saettone, do Peru.
No sábado, serão realizados os últimos jogos da primeira fase e as partidas das quartas de final. No DOMINGO (03.03), acontecerão as semifinais, disputas de terceiro lugar e as finais.

Nordestina é destaque no campeonato francês


Vista como uma ótima jogadora de fundo de quadra quando atuava no Brasil, a ponta passadora Clarisse Benicio Peixoto foi contratada pelo Pays d’Aix Venelles no segundo semestre de 2012 para reforçar a equipe durante esta temporada. Depois de se adaptar na França e ganhar confiança com o estilo de jogo europeu, a atleta se transformou em uma das melhores atacantes da LNV (Liga Nacional de Vôlei) e é um dos destaques do time na busca pela classificação para os Playoffs.

“No Brasil sempre fui considerada uma jogadora mais de fundo de quadra e sempre me disseram que eu não seria uma grande atacante. Aqui eu sou uma grande passadora e grande atacante. Confiança e oportunidade era o que faltava para o meu voleibol”, revelou Clarisse, que é a terceira melhor atacante da Liga com 207 pontos.

Aos 25 anos de idade, Venelles é a primeira experiência internacional de Clarisse. Formada nas categorias de base do Finasa/Osasco, a atleta passou por duas temporadas no São Caetano e depois se transferiu para o Vôlei Futuro, onde passou as ultimas três temporadas antes de se mudar para a França. Cearense, natural de Fortaleza, a jogadora já se mostra bem adaptada no na Europa e pensa em continuar jogando fora do Brasil.

“No começo foi um pouco difícil de acostumar, mas a cidade (Venelles) é linda e as pessoas muito simpáticas, o que facilita. Além de que fui muito bem recebida por aqui. Esta equipe é muito especial e as meninas são maravilhosas, me acolheram bem demais. Meu técnico Thierry Hippolyte também é genial e nos respeita muito, fora a confiança que ele passa para nós, jogadoras. É muito bom trabalhar com pessoas que confiam no seu trabalho. Meu contrato aqui termina em Maio, então ainda não sei o que vai acontecer, mas gostei muito da França e já tive até algumas propostas de equipes daqui, mas no momento eu só quero pensar no campeonato que ainda não acabou”, contou a atleta, que teve a companhia da brasileira Ana Maria, ex-BMG São Bernardo, na adequação ao vôlei europeu.
“Me adaptei muito rápido ao voleibol francês. Não tive muitas dificuldades com isso e com certeza a ótima relação que tenho com minha levantadora Ana Maria e com meu técnico Hippo ajudou muito. A Ana está jogando muito bem e me passa muita confiança para atacar, nos entendemos muito bem na quadra”, disse Clarisse, que foge apenas de alguns desafios da adaptação. “Os grandes desafios para mim estão sendo o frio e a língua francesa. Sou cearense, acostumada com sol e calor. Meus últimos três anos foram em Araçatuba, que também é uma cidade quente. Então para enfrentar o frio com neve falando francês está sendo realmente uma experiência diferente”, completou.
Nesta sexta-feira, 22, o Venelles visita o RC Cannes, líder invicto da competição com 51 pontos, 17 vitórias em 17 partidas. Maior pontuadora do Venelles, Clarisse é uma das armas da equipe para tentar desbancar o forte time do Cannes. O Pays d’Aix é o sexto colocado na Liga com 24 pontos, buscando se classificar entre os oito primeiros nestas ultimas cinco rodadas para chegar aos Playoffs.

Texto e imagens: .innovatesports